Ofereço chupeta ao bebê, ou não ofereço?

Uso pode ajudar emocionalmente a criança, mas não deve atrapalhar a amamentação e durar por muito tempo

chupeta bebe psicologia infantil

por Juliana Martini*

Pergunta que todo pai e toda a mãe faz para si. E pelo que mostram as pesquisas, mesmo aqueles que dizem que não oferecerão a chupeta ao filho, acabam por oferecer. Mas quais os reais benefícios e prejuízos do uso?

A chupeta tem sido utilizada desde muito antes de Cristo, já foi feita de argila, madeira, aço, e sempre serviu para acalmar os pequenos, além de contribuir para aliviar a dor do nascimento dos dentes e o estresse e ansiedade de todas as novas descobertas. Pesquisas com bebês que precisavam passar por tratamentos dolorosos dentro de hospital observaram diminuição da sensação de dor com o uso da chupeta.

Leia mais artigos da Coluna

*Juliana Martini é psicóloga, metre em Saúde Coletiva pela Unesp de Botucatu, psicóloga na rede assistência social de Botucatu, filha, mulher e mãe.

*Juliana Martini é psicóloga, metre em Saúde Coletiva pela Unesp de Botucatu, psicóloga na rede assistência social de Botucatu, filha, mulher e mãe.

Quanto às emoções, a criança logo ao nascer dá os primeiros passos em seu desenvolvimento emocional, entra na fase oral na qual o prazer está no sugar. Quando suga o seio materno o bebê se sente satisfeito, tem a certeza de estar vivo, e quando ele é retirado sente raiva e angústia, e espera ansiosamente a próxima mamada. Como você viu, seu filho começa a vivenciar todas as emoções desde pequenininho. Para Piaget, psicólogo suíço, num primeiro momento não existe diferença entre o bebê e o objeto que ele vê, aos poucos ele vai se distanciando dos objetos e das pessoas, começa a reconhecê-los separados de si e começa a colocar tudo na boca, como se estivesse conhecendo o mundo a sua volta utilizando para isso o prazer oral, devorando e colocando tudo que aprende do mundo para dentro. A chupeta é um dos objetos que satisfaz e traz esse prazer. No entanto, calma… logo essa busca por prazer e gratificação se amplia e outras partes do corpo também se tornarão prazerosas.

Mas, e os riscos para a saúde da criança? Na verdade, a chupeta que conhecemos atualmente foi patenteada e começou a ser produzida em 1900, nos Estados Unidos, e passou a ser contra-indicada após início das campanhas a favor da amamentação em 1970, isso porque as pesquisas deixam claro que o uso da chupeta diminui o tempo de amamentação exclusiva, ou seja, se a criança usa chupeta ela deixará de mamar em menos tempo. Pesquisas também apontam que o uso da chupeta, dependendo do tempo de uso e como é usada podem trazer sérios problemas de fala, problemas articulares e de má posição da língua. Não há pesquisas atuais que confirmam que bicos ortodônticos trazem menor prejuízo do que bicos arredondados.

O que percebemos com tudo isso, é que o uso da chupeta traz benefícios e prejuízos importantes, vale ressaltar que depois dos 3 ou 4 anos só se observa prejuízos, além dos citados, emocionalmente são favorecidos na criança comportamentos regredidos, ou seja, ela tende a agir como uma criança menor, como um bebê, exigindo atenção e cuidados por apresentar grande insegurança emocional e poderá necessitar de auxílio profissional para retirada da chupeta.

E quando os pais decidem que é hora de retirá-la? Aí pode ser um grande problema, porém de fácil resolução! Há trocas, há conversas, há presentes, mas na verdade o que sempre aconselho é esperar o momento que você tiver condições práticas e emocionais de suportar o choro, as chantagens e as birras durante alguns dias! Logo a criança encontrará outra forma de aliviar a ansiedade, como brincar! Sempre, quem fará a escolha é você, para ofertar a chupeta, para manter, para retirar.

Muita luz a todos!

Deixe seu comentário para os nossos colunistas logo abaixo.

**Os artigos assinados por colunistas não traduzem necessariamente a opinião do Notícias.Botucatu.

Deixe uma resposta