Quiprocó Bar

Suruba a jato

O desastre natural brasileiro segue ainda mais fortalecido e a Vida Severina só mudará se mudarmos a política

por Daniel de Carvalho*

Há três anos começava o movimento federal que chacoalhou e acertou em cheio as estruturas políticas e sociais do Brasil. A Lava Jato tomava ares nacionais após fase de investigação em Curitiba e seria o “herói nacional” que varreria daqui o único problema natural do país, a corrupção. Assim foi vendida e ventilada aos quatro cantos enquanto o Brasil atravessa crise econômica que, para os governos, justificaria toda e qualquer ação da gestão pública para controlar a sangria imparável – e injustificável, oficialmente, além de culpar a corrupção e não analisar a estrutura econômica elitista.

Arrochos, cortes e insegurança social vem sendo o mote das presidências, governos e prefeituras nos últimos anos, redução “obrigatória” da folha de pagamento público aliado à falta de recursos para garantir o acesso aos direitos sociais do povo, educação, saúde, transporte, previdência social, e tantas necessidades hoje trabalhadas não como a prioridades a serem asseguradas para termos todos a dignidade humana a todos.

Os que apoiaram e financiaram a troca de governo federal, já disputam os espólios da guerra. A concentração de poder político e econômico que não aparece na grande mídia é o primeiro resultado emergente da filosofia controladora e doutrinadora que a direção executiva tem imposto: novas caras sem a história política manchada ou velhas políticas com nova propaganda – a quem vê o “Novo político”, esta é a máxima: gestor, administrador, pulso firme e centralizador entre arrogante e autoritário – “o chefe”. Às fotos e veículos não se expõe as parcerias e empresas que o apoiam a não ser como bons doadores para os cofres públicos e parceiros no enfrentamento à crise – agora, sim, existe almoço grátis nos governos e isso está “excelente” – que gestor!

Hoje temos o relator petista da Reforma Política em Brasília com o discurso – oficial, em entrevista – de que o Brasil precisa seguir em frente: “Temos de ter pensamento estratégico. O que é melhor para a sociedade nesse momento? Até aprovar uma anistia, seja criminal, financeira, tudo isso é possível, não é novidade no mundo”, deputado Vicente Cândido – PT/SP, isso posto uma semana depois de a base paulista do partido apoiar candidatura de PSDBista, declaradamente golpista, à presidência da ALESP em troca de uma cadeira mais próxima ao poder central.

Enquanto o povo acorda e dorme preocupado com a segurança de sua família e se enrijece vendo que as barreiras e pedras no caminho para sua ascensão e equilíbrio social só ganham peso e força a cada tapa que leva, os velhos partidos do PTSMDB já estão com seus olhos voltados para as urnas de 2018 baseada no pragmatismo de interesses do partido sem oferecer qualquer empoderamento ou autonomia do cidadão. O desastre natural brasileiro segue ainda mais fortalecido e a Vida Severina só mudará se mudarmos a política para além dos políticos, além de coalizão e interesses partidários. Há muita esperança na luta das comunidades, dos bairros, e do trabalhador, onde há seriedade e não deve haver espaço para suruba política, o papo é reto e a ação tem que ser imediata. Seguiremos juntos no caminho certo. #28Abril #GreveGeral.

Daniel de Carvalho é publicitário, Conselheiro Municipal de Cultura de Botucatu, Secretário de Comunicação do PSOL 50 Botucatu e estudante de direito.

Faça seu comentário sobre esta Notícia: