OPINIÃO | Sem clima em Botucatu

Desde o impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, os ruralistas se fortalecem

por Daniel de Carvalho

Vemos todo dia o carro forte do Brasil, o agronegócio, que, segundo o balanço dos economistas, vem suportando a crise econômica criada, sendo o salvador da Economia enquanto a corrupção e a má gestão são tidas como as grandes vilãs para o sucesso do Mercado.

Economia e Mercado, um casal que vem sendo promissor nesse momento materialista e caótico, centro de todas ações política em todos cantos do Brasil, É necessário que saiam da UTI a qualquer custa, com rápida recuperação para o país voltar a prosperar. Mas, em oposição às promessas e propagandas destes 16 meses de governo PMDB-PSDB, as notícias vem sendo as piores possíveis: o último julho foi o pior mês para a Economia dos últimos 21 anos, expectativa de PIB a Zero neste ano, projeto de venda de toda estrutura pública para sustentar o peso do déficit que não se soluciona.

E a você, o que lhe interesse e qual sua ambição para sua vida e de sua família? Na contramão das bolsas de valores segue a necessidade humana, o desejo do trabalhador por estabilidade financeira, e a igualdade democrática entre todos. Onde você está neste progresso que se ambiciona para o país, qual base se tem para decidir este caminho – nas eleições é que não foi – e onde foi posto que a Economia se faz com o bolso cheio dos agronegociantes e bancários enquanto o trabalhador da base segue cumprindo com suas necessidades e obrigações, as mesmas de seus pais e de seus avós, sem conseguir garantir o equilíbrio e todas contas pagas ao final do mês. Porque a ambição desta nata que financia a política com os espólios de seu lucro é tão influente nas decisões do maquinista, o presidente da República, enquanto que a fornalha segue com gravetos queimando cada dia mais fracos, desnutridos e abandonados?

Na leitura ambientalista e investigativa, este ano o “De Olho Nos Ruralistas” lançou seu primeiro documentário: “Sem Clima – uma República controlada pelo agronegócio”, onde desmascara qual a relação entre a bancada ruralista e as mudanças climáticas? Ou, pensando no Acordo de Paris: com o Congresso que temos o Brasil será capaz de cumprir o acordo?

Para tentar responder a essas perguntas o observatório entrevistou, durante sete meses, parlamentares e especialistas no tema. A equipe foi até Brasília conversar com os próprios ruralistas, mas acabou expulsa da sede da Frente Parlamentar da Agropecuária, uma mansão no Lago Sul. Por quê?

Desde o impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, os ruralistas – que já tinham grande espaço no governo – se fortalecem ao ponto de indicar representantes em diversos postos chave do Executivo. Do Ministério da Agricultura ao Ministério da Justiça, passando pela Casa Civil. O poder político do agronegócio se multiplica.

Como eles têm agido no Congresso e no Executivo? Que leis estão aprovando, que projetos (relativos a desmatamento e terras indígenas, por exemplo) podem ameaçar os compromissos assumidos pelo Brasil? E o que pensam os parlamentares e lideranças críticos desse modelo ruralista?

Vamos lá! Cine-debate com os produtores do filme, jornalistas investigativos e colaboradores do observatório do agronegócio #DeOlhoNosRuralistas, além de lideranças locais! Compartilhe e convide os amigos. Seguiremos juntos.

QUANDO: sexta-feira, 1 de setembro, às 18h30.
LOCAL: Sindicato dos Metalúrgicos de Botucatu e Região. Rua Rodrigues César, 422, Vila dos Lavradores (paralela à Rua Major Matheus).
EVENTO: https://www.facebook.com/events/731391400382589/

Daniel de Carvalho – Presidente do Partido Socialismo e Liberdade – PSoL 50 Botucatu, Conselheiro Municipal de Cultura, Membro da Comissão Municipal de Transporte Coletivo – CMTC, estudante de direito e empresário, em diálogo à coluna do professor de história e deputado federal Chico Alencar – PSoL.

Para ler todos os artigos deste colunista, acesse o hotsite Botucatu Para Todos!