Exposição fotográfica retrata trabalho de Cooperativa de Resíduos Sólidos de Botucatu

A exposição segue no Espaço Cultural até o dia 19 de novembro. Depois, segue para a Fazenda do Lageado

da Assessoria

Foi inaugurada nesta sexta-feira, 10, no Espaço Cultural, a exposição (In)Visibilidade dos Trabalhadores da Cooperativa de Resíduos Sólidos de Botucatu, que retrata, por meio de fotos e de um documentário, o árduo dia a dia dos cooperados da cidade. A ideia surgiu como um Projeto de Extensão do Instituto de Biociências da Unesp, câmpus de Botucatu.

O evento contou com a presença de autoridades municipais, como o secretário do Verde, Márcio Piedade Vieira; a secretária de Cidadania e Desenvolvimento Social, Sílvia Fumes; a vereadora Rose Ielo; responsáveis pelo trabalho; cooperados e alguns interessados.

Na abertura, a professora do IB e responsável pelo projeto, Maria de Lourdes Spazziani, parabenizou a cidade pelo trabalho de coleta de resíduos, mas alertou para a necessidade de uma ampliação da tarefa. “É tudo muito bem feito. Mas ainda não conseguimos coletar todo o lixo de Botucatu. É um desafio ampliar e destinar o material de forma sustentável. Por isso, também mostramos o serviço dos cooperados, pessoas individuais que fazem a diferença”, afirma.

A presidente da Cooperativa de Resíduos Sólidos, Marcia Regina Alves, ficou muito feliz com a exposição. “Acho que esta é uma propaganda que atinge a população. Pois muita gente não conhece nosso trabalho. Acham que ele é particular, mas não é. Somos cerca de 22 famílias que trabalham lá, e contamos com o apoio da Prefeitura. Mas somos nós quem tomamos conta. É bom que conheçam esse trabalho, não é fácil”, ressalta.

Marcio Piedade Vieira elogiou o trabalho fotográfico. “Esse documentário e essa exposição que vimos coroam o belíssimo trabalho dos nossos agentes da Cooperativa. Esse projeto é importante para o meio ambiente e nos ensina a ser mais conscientes em nossas atitudes do dia a dia”, afirma o secretário Municipal do Verde.

Em seguida, foi mostrado um marcante documentário, com imagens do trabalho dos cooperados, além de depoimentos dos envolvidos. E, para finalizar, foi servido um café da manhã para todos os participantes.

A exposição segue no Espaço Cultural até o dia 19 de novembro. Depois, segue para a Fazenda do Lageado e por outros locais.