Puma oficializa instalação em Botucatu; podendo gerar até 150 empregos

Dentro de um prazo de cinco meses, os empresários deverão providenciar a elaboração do projeto

da Assessoria

Um dos carros esportivos mais amados das últimas gerações está de volta. Depois de um período de avaliação e negociações, foi oficializado no início da noite de quinta-feira (12) que Botucatu é a cidade escolhida pela empresa Puma para a instalação de uma fábrica e um centro de desenvolvimento e engenharia. Em reunião realizada no gabinete do prefeito Mário Pardini, os diretores da Puma Automóveis assinaram um contrato para a utilização de uma sala no Núcleo Administrativo do Parque Tecnológico Botucatu e também um protocolo de intenções para apresentarem um projeto de implantação de uma unidade fabril em área a ser definida pela prefeitura.

A partir de agora, dentro de um prazo de 150 dias (cinco meses), os empresários deverão providenciar a elaboração do projeto que, se aprovado, permitirá a doação, pelo Município, de uma área para a suas futuras instalações. A intenção é que as obras recebam investimento de R$ 50 milhões na sua primeira etapa de implantação, podendo chegar a R$ 250 milhões nas etapas subsequentes, com previsão de início das obras em janeiro de 2019. A prospecção é que esta primeira unidade tenha cinco módulos para abranger todos os produtos da Puma, que além de automóveis, também fabrica barcos, motocicletas, bicicletas e quadriciclos. No local também deverá ser construída uma pista de testes de veículos automotivos.

A área a ser construída para abrigar o Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Fabricação da Puma em Botucatu, inicialmente, deverá ser de 3.000 m² e, em sua fase final de implantação, pode chegar a 23.000 m². A fabricante de veículos busca ainda desenvolver um programa de preservação e conservação do meio ambiente por meio de atividades de reflorestamento, recuperação ambiental, reciclagem, destinação correto de resíduos, reutilização de águas e educação ambiental.

Luiz Carlos Gasparini Alves da Costa, presidente da Puma Automóveis, explica que o objetivo é que a indústria em Botucatu seja também um núcleo exportador de tecnologia. A expectativa é que sejam gerados aproximadamente 150 empregos na fase inicial das atividades, sendo 30 empregos diretos e 120 empregos indiretos, sendo que toda a mão-de-obra será local. “Teremos nossa equipe de técnicos especializados, mas eles virão para Botucatu apenas para capacitar os funcionários contratados na cidade. Queremos crescer junto com Botucatu”, afirma.

Sobre a escolha por Botucatu, Luiz Costa é enfático: “Somos de Itatinga e meu pai é nascido em Botucatu, que é uma cidade extremamente tecnológica. Estaremos instalados dentro do Parque Tecnológico e a Puma é pura tecnologia. Então, tem tudo a ver. Melhor, impossível”, afirma.

Para Carlos Costa, diretor executivo do Parque Tecnológico Botucatu, a formalização da parceria com mais uma grande empresa coroa a boa fase do empreendimento, que comemora 3 anos neste sábado (14 de abril), mesma data de aniversário do Município. “Só temos que agradecer à toda equipe da Puma por acreditar no potencial de inovação e tecnologia existente aqui em Botucatu. Temos certeza que a chegada desta empresa icônica dentro do automobilismo nacional e internacional será uma grande força motriz para impulsionar nosso ecossistema de empreendedorismo e inovação”, contextualiza.

Sobre a Puma

O primeiro Puma foi projetado pelo visionário Genaro “Rino” Malzoni, em 1964. Ainda era construído de metal e foi feito para as corridas, levando o nome do fabricante na carroceria, e não o Puma. Nos anos 70 e 80, ter um carro da Puma era para poucos. A marca nacional produzia esportivos de forma artesanal, que fizeram muito sucesso em uma época de mercado fechado aos importados.

A Puma entrou para a história como a marca brasileira que produziu o maior número de automóveis esportivos. Na década de 1980, a empresa começou a enfrentar dificuldades financeiras e foi vendida, mas nunca mais voltou a viver seus dias de glória. Nos 26 anos de história, mais de 25 mil carros foram produzidos, e a marca trouxe grandes inovações à produção nacional de veículos.