João Cury é confirmado como secretário estadual da Educação

 A posse está marcada para quinta-feira, 26, às 15 horas, no Palácio dos Bandeirantes

por Flávio Fogueral

Fim do mistério. Após semanas de especulações e silêncio, o ex-prefeito de Botucatu, João Cury Neto (PSDB), aceitou o convite do governador Márcio França (PSB) e assumirá a Secretaria de Estado da Educação. A nomeação ocorreu nesta sexta-feira, em publicação no Diário Oficial do Estado (DOE). A posse está marcada para quinta-feira, 26, às 15 horas, no Palácio dos Bandeirantes.

Cury, que era presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE), uma das pastas mais prestigiadas dentro da secretaria,  assume o cargo deixado por José Roberto Nalini em 13 de abril. O ex-secretário era vinculado ao grupo do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), que desincompatibilizou do posto para concorrer à Presidência da República.

Com João Cury ocupando o cargo de secretário da Educação, o caminho fica livre para a candidatura de Milton Monti (PR), à reeleição para a Câmara dos Deputados. O ex-prefeito botucatuense era nome forte para concorrer com o são-manuelense.

Cury “Socialista”?

Além da nomeação como secretário, João Cury teria recebido outro convite do agora governador: filiar-se ao PSB, sigla de Partido Socialista Brasileiro. Os convites recebidos por tucanos não têm sido bem vistos pela alta cúpula do PSDB, tendo em vista que a legenda lançou o ex-prefeito de São Paulo, João Dória, como pré-candidato a governador, concorrendo, inclusive, com Márcio França.

João Cury, por exemplo, é um dos nomes mais representativos do PSDB no interior paulista tendo, inclusive, coordenado pela região, a campanha do senador Aécio Neves nas eleições presidenciais de 2014.

A candidatura de Márcio França, inclusive, já tem apoio de outros partidos, como o PPS, onde o deputado estadual Fernando Cury é filiado.

Leia mais:

Justiça considera improcedente denúncia contra João Cury e Narciso Minetto no caso Sangari

Leia ainda:

Polícia Federal entra na investigação do “Caso Sangari”