OPINIÃO | Morremos?

A falta de combustível mostrou a nossa dependência/fragilidade de locomoção

por Patrícia Shimabuku

Vamos aproveitar o momento atual (questão dos combustíveis) para refletir sobre nossos hábitos, nossa postura diante a sociedade e entendimento da importância/influência da política em nossas vidas.

A falta de combustível mostrou a nossa dependência/fragilidade de locomoção, de nossa casa para o trabalho ou escola ou para questões mais complexas como abastecimento de alimentos, de segurança pública e de saúde (abastecimento de medicamentos e transporte de pacientes).

A falta de combustível nos obrigou a (re)organização. (Re)pensar e buscar alternativas de locomoção (bicicleta, caminhada, carona solidária e transporte público). Saímos da caixinha da linha do conforto.

E agora te digo: E se fosse: “água”, “alimentos”, “medicamentos” e “ar atmosférico de qualidade”. Como será nossas relações de colaboração e senso de coletivismo? Se está difícil com a falta de combustível, imagem se fosse algum dos itens mencionados anteriormente. O que faremos? Resiliência, qual será a nossa estratégia coletiva?

Passamos por uma crise hídrica em 2014, no momento de escassez e racionamento, paramos e refletimos em soluções, porém, esquecemos e não estamos trabalhando nas medidas preventivas. Continuamos com a postura irresponsável, egoísta e predatória. Impermeabilização e ocupações de áreas de importância/fragilidade ecológica e produção de água (mananciais), contaminações diárias e intensas de corpos hídricos, saneamentos básicos e ambientais que não saíram dos documentos, etc.

Pior, não percebemos que estamos caminhando para nossa própria extinção! No entanto, antes dela, vamos vivenciar privações, sofrimentos e guerra. O que estamos fazendo para mudar esse futuro sombrio?

Em relação a Gestão Política, espero que as pessoas do discurso “eu não gosto de política” e “prefiro não votar” mudem o seu entendimento das consequências da gestão ou da falta de uma gestão política de qualidade

Vivemos o momento perfeito para refletir sobre o que é democracia!

Vivemos o momento perfeito para exercer a cidadania!

Vivemos o momento perfeito para buscar informações e assim dar qualidade a democracia representativa! Olhe as eleições para deputado estadual, governador, deputado federal, senador e presidente chegando!

Vamos nos organizar! Vamos estudar!

A “Política de Pão e Circo” deve ser extinta! “Quanto mais instruído o povo, tanto mais difícil de o governar” (Provérbio Taoista).

A história nos prova que somente com as mobilizações populares “a coisa muda” a coisa muda de rumo! A sociedade se transforma! A nossa sociedade (nosso convívio pessoal e profissional) precisa evoluir como civilização! Saímos das cavernas! Construímos cidades, dominamos a tecnologia, curamos/amenizamos epidemias fomos ao espaço! Então somos capazes de viver em sociedade e prosperar em sociedade com paz!

A situação está confortável para você! Então pense, e se fosse ficasse desempregado hoje, como essa situação econômica e um sistema político corrupto e falido, o que você faria? Como seria o seu amanhã? E de sua família? Então pense, faça algo!

Reflita, faça esse exercício mental! O que adianta ter dinheiro ou melhor veículo na falta de abastecimento de combustível? Em momentos de escassez “somos e seremos todos iguais”.

Por fim, não fique com as leituras superficiais das notícias das redes sociais, discursos reacionários! Mude a sua postura, busque informações de qualidade.

Assuma a sua parcela de contribuição e responsabilidade na gestão de sua cidade, estado e país! E antes se sair postando: “queremos intervenção militar”, procure saber que foram os cinco Atos Institucionais (AI – 5) no Regime/Ditadura Militar do nosso país!

Uma nação organizada (mobilizações e movimentos organizados) com conhecimento de causa e pacífica desestrutura qualquer sistema político ineficiente e corrupto.

Faça sua parte! Crítica pela crítica e virtuais somente são críticas! (Re)pense!

* Patricia Shimabuku é farmacêutica industrial, professora e ativista socioambiental.

Para ler todos os artigos da colunista, acesse aqui.