Reitor mantém proposta de 1,5% de reajuste salarial e servidores da Unesp prosseguem greve

O índice é considerado insuficiente para repor as perdas inflacionárias no último ano

por Flávio Fogueral

Reunião entre representantes de servidores técnico-administrativos e professores das universidades paulistas com o Cruesp (Conselho de Reitores das Universidades Estaduais de São Paulo), nesta quinta-feira, 7, não decretou o possível final da greve das duas categorias profissionais. Isso porque os reitores de USP, Unesp e Unicamp mantiveram a proposta de reajuste salarial em 1,5%.

O índice é considerado insuficiente para repor as perdas inflacionárias no último ano, e rechaçam a proposta apresentada em 17 de maio pelos dirigentes universitários. A inflação oficial medida pelo IBGE que, em 2017 foi de 2,95%.Com isso, novas assembleias devem ser promovidas pelos sindicatos representativos das categorias.

Adesão de servidores e professores é parcial na maior parte das unidades em Botucatu

Em específico na Unesp, a categoria reivindica o pagamento do percentual de 3% prometido pela reitoria desde 2015. O valor, segundo os grevistas, nunca foi aplicado nos vencimentos das categorias (servidores e professores) e que seriam necessários 16% para amenizar os efeitos das perdas salariais. Em 2017, uma crise orçamentária fez com que a universidade atrasasse o pagamento do décimo terceiro salário, o que ocorreu com negociação e ordem judicial.

Um grupo formado por 40 pessoas do câmpus da Unesp de Botucatu participou de ato em frente à sede do Cruesp, em São Paulo. A mobilização reuniu, ainda, integrantes do chamado Fórum das Seis, entidade que agrega sindicatos e associações representativas de servidores técnico-administrativos, das três universidades estaduais paulistas.

“Tudo dependia da conversa e das propostas que foram apresentadas. Mesmo que a proposta venha a agradar os representantes do Fórum das Seis, a mesma precisará ser analisada pelos sindicatos e, claro, pelos servidores em assembleias. A greve deve prosseguir por mais alguns dias”, ressalta Rosana Bicudo, do conselho de greve do Sindicato dos Trabalhadores da Unesp (Sintunesp).

Em Botucatu, a paralisação ocorre desde 27 de maio, sendo parcial e não compromete totalmente as atividades desenvolvidas nos dois câmpus de Botucatu (Rubião Júnior e Fazenda Experimental do Lageado). Um ato promovido na terça-feira, 5, reuniu mais de 150 pessoas entre professores, servidores e alunos, que protestaram contra o índice proposto pelo Cruesp, além de reivindicar o pagamento dos aumentos prometidos desde 2015.  

O Sintunesp estima que 30% dos servidores no câmpus de Botucatu tenham aderido à greve. Com isso, algumas atividades de suporte acadêmico ocorrem parcialmente, como é o caso da Faculdade de Medicina. Nas demais unidades- Instituto de Biociências, Faculdades de Ciências Agronômicas; e de Veterinária e Zootecnia-, os trabalhos administrativos estão normalizados, conforme sondagem da reitoria.

Quanto aos alunos, os mesmos têm paralisação total apenas no Instituto de Biociências. Já nas Faculdades de Medicina; de Medicina Veterinária e Zootecnia; e de Ciências Agronômicas, a adesão é parcial.

Mesmo com a reunião marcada entre os representantes das reitorias das três universidades paulistas e os grevistas, a paralisação deve prosseguir, reforçam algumas lideranças do movimento. A presidente da Associação dos Docentes da Unesp de Botucatu, Percília Cardoso Gianquinto, salienta que independente do que for definido hoje em São Paulo, a categoria deverá permanecer parada até a próxima reunião da Adunesp, marcada para a próxima quarta-feira, 13.

Leia mais:

Grevistas da Unesp fazem ato pelas ruas de Botucatu contra reajuste de 1,5%