Sofá, cama e televisor são descartados próximos a córrego na Vila Real Park

O Grupo de Apoio Ambiental  da Guarda Civil Municipal foi acionado para averiguar o descarte

por Flávio Fogueral

Descarte de materiais recicláveis e lixo orgânico em Botucatu é um cenário cada vez mais frequente. Além das estradas rurais, terrenos e vias públicas no perímetro urbano também são locais utilizados para o despejo de materiais que, por vezes, agridem diretamente o Meio Ambiente e causam transtornos a vizinhos com o aparecimento de animais peçonhentos.

Um dos casos mais recentes é entre as Ruas Pedro Pimentel e Benjamin Figueiredo, no Jardim Real Park, região Norte da Cidade. Repleto de terrenos vazios, o quarteirão se encerra perto de uma grande área particular que forma uma chácara, além de circundar o córrego São Caetano.

No entanto, nos metros finais de asfalto é possível constatar o despejo de materiais como lixo orgânico, favorecendo o acúmulo de moscas, além de partes de móveis e eletrônicos: televisores, rádios, discos de CD e DVD, entre outros. No local também é possível encontrar roupas, calçados e entulhos de materiais de construção. O destaque fica por conta de um sofá abandonado junto aos materiais sendo que, ao lado, foram jogados preservativos usados.

Os moradores reclamam que o fato é comum e que, frequentemente pessoas param até veículos para despejo do material. Relatam que, por causa do lixo, animais peçonhentos são encontrados com facilidade pelas casas. O Grupo de Apoio Ambiental (GPA) da Guarda Civil Municipal foi acionado e, no final de terça-feira, 17, averiguaria a situação.

Na mesma região, o vereador Abelardo (MDB) flagrou e postou em suas mídias sociais o acúmulo de lixo no Jardim Ouro Verde. Em um terreno havia desde colchão a roupas- com uniforme escolar-, além de um monitor de computador e entulho de construção. O fato foi registrado no dia 12 de julho. A situação gerou dezenas de comentários, com cobranças pela implantação de Ecopontos para descarte.

O descarte de materiais em via e espaços públicos, áreas de proteção ambiental e na zona urbana possui regras e sanções estabelecidas na Lei nº 3.601/96. De outubro a junho deste ano, a Secretaria Municipal do Verde efetuou 20 autos de infração referentes a descarte irregular de lixo. Antes, é feito um auto de constatação, onde os autores identificados pelo despejo de materiais têm prazo de 72 horas para a retirada e limpeza do local. A penalidade pode acarretar multa de R$ 200. As denúncias ocorrem pelo telefone 199, da Guarda Civil Municipal.