OPINIÃO | Economizar água é uma questão de hábito

Economizar água é uma questão de hábito

por Patrícia Shimabuku

O verão se aproxima, época em que as temperaturas se elevam e o calor predomina, contudo, requer cuidados redobrados na utilização doméstica da água. Além dos investimentos públicos, é preciso que haja, por parte da população uma conscientização maior sobre o uso hídrico.

Economizar água é uma questão de hábito. É importante mudá-lo e incorporar estas pequenas dicas no seu dia a dia:

  • Regue o jardim a noite, para evitar o excesso de evaporação e gasto de água;
  • Não utilize água (esguicho da mangueira) como vassoura para limpar o quintal ou calçada;
  • Se precisar lavar o carro, use um balde;
  • Organize a frequência de uso da máquina de lavar roupas e reaproveite a água para limpar o quintal ou banheiro;
  • Não utilize a água da torneira para retirar o resto de comida dos pratos e panelas;
  • Mantenha a torneira fechada ao escovar os dentes, fazer a barba e lavar as louças;
  • Descongele alimentos na geladeira;
  • Repare as torneiras com vazamento;
  • Investigue possíveis vazamentos “internos/invisíveis” (feche todas as torneiras e observe o registro);
  • Colete a água da chuva para uso não potável;
  • Instale redutores de vazão em torneiras;
  • Mantenha a válvula da descarga regulada (acione corretamente) e não utilize o vaso sanitário como lixeira;
  • Diminua o tempo debaixo do chuveiro;
  • Trate periodicamente a água da piscina para não precisar renová-la muitas vezes (se possível cubra, para evitar a evaporação excessiva).

Economizar água em casa é importante por, no mínimo, dois fatores: redução de gastos com a conta, que pode facilitar o orçamento doméstico e responsabilidade ambiental (cidadania ecológica). Lembre-se “a água promove a vida no Planeta, garante a existência humana e a manutenção do seu emprego e/ou negócios” e, só somente por isso, necessitamos usá-la de maneira responsável (não predatória). Mesmo que em sua cidade haja água em abundância é sua responsabilidade adotar medidas de conservação.

A escassez hídrica já é um grave fator de conflitos armados em algumas comunidades na África e no Oriente Médio. É nossa missão, também, impedir que esse drama atinja o mundo todo, inclusive em nosso país. Rever nossos hábitos de consumo não custa nada e pode ter um impacto enorme sobre a nossa existência. A gestão hídrica começa em nossos lares e faz parte da educação de nossos filhos. Como cobrar uma gestão hídrica governamental responsável se não realizamos a lição de casa?

*Patricia Shimabuku é farmacêutica industrial, professora e ativista socioambiental.

Para ler todos os artigos da colunista, acesse aqui.