OPINIÃO | Apelo por segurança em mirantes, córregos e cachoeiras

A prevenção é (será) a melhor estratégia para um passeio divertido, relaxante e com final feliz

por Patrícia Shimabuku*

“Você é (sempre) responsável pela sua segurança” – esse é o item essencial no planejamento de passeios em áreas naturais como cachoeiras, córregos e mirantes.  Várias reflexões e dicas já foram abordadas nos textos Perigo nas cachoeiras – Cabeça d’água , Todos os cuidados para curtir uma cachoeira em segurança ,  Estradas rurais – o que o turista precisa aprender , Neste verão não afogue a diversão ,  Turismo botucatuense – precisamos dialogar (urgentemente)! , Cachoeiras particulares – como controlar o acesso? A natureza tem dono?, Vamos pra cachu? . (Re)leia e compartilhe, vamos juntos aprender e “dar um fim” a todas histórias tristes de verão.

A prevenção é (será) a melhor estratégia para um passeio divertido, relaxante e com final feliz. Não abuse e não desafie o meio ambiente. Não ultrapasse as infraestruturas de segurança (“guarda corpo”) em mirantes. Não duvide das forças das águas (correnteza). Não duvide da profundidade dos córregos (pontos com poços, redemoinhos além da possível existência de enrosco no fundo). Atenção redobrada em áreas rochosas, as pedras poderão estar soltas e além de pontiagudas, são escorregadias quando molhadas. Não mergulhe em cachoeiras. Não use cordas e cipós como balanços. Não fique debaixo das quedas d’águas após as chuvas. Não abuse, responsabilidade e consciência sempre! Não consuma bebida alcoólicas e drogas em ambientes naturais.

Leve sempre uma corda e flutuadores (como garrafas tipo PET de 2L, caixa de isopor, colete salva-vidas ou guarda-vidas). Em caso de afogamento você poderá lançar a corda com um dispositivo flutuador para auxiliar a vítima. Galhos de árvores poderão ser usados. Mas, nunca entre na água na tentativa de resgatar a vítima, por mais que, exista o sentimento humano de proteger a vida do próximo. Reflita e observe ao redor alternativas que possam ser utilizadas no resgate que não seja o seu próprio corpo. Não seja a segunda vítima do cenário. Os profissionais para esse tipo de resgate possuem treinamento técnico especializado, equipamentos e controle emocional.

O nosso município precisa de um “Plano de Prevenção de Acidentes e Resgate em Ambientes Naturais”. Faço aqui, um pedido para o Poder Executivo e Legislativo local para que o Complexo Turístico ou simplesmente Cachoeira Véu de Noiva possa contar com a assistência de um Bombeiro nos finais de semana e feriados. Um estudo de capacidade de carga também se faz necessário para garantir a minimização dos impactos ambientais e perdas humanas.

Precisamos inserir palestras, oficinas e dinâmicas de Educação Turística nas escolas públicas e particulares (de educação básica, profissionalizante e de ensino superior), nos centros religiosos e comunitários, na rede de serviços de apoio ao turismo que promova uma conduta responsável e de segurança na recreação em ambientes naturais. Uma educação que aborde o respeito ambiental, social e humano.

Lembre-se, por mais que exista a melhor infraestrutura para o atrativo turístico, a melhor gestão pública turística local ou melhor equipe de bombeiros o primeiro agente responsável pela segurança sempre será você.

*Patricia Shimabuku é farmacêutica industrial, professora e ativista socioambiental.

Para ler todos os artigos da colunista, acesse aqui.