OPINIÃO | “Lançamento de bitucas”, por favor, não pratique esse esporte!

O tempo de decomposição de uma bituca descartada incorretamente pode chegar a até cinco anos

por Patrícia Shimabuku*

A bituca do cigarro é tratada pela maioria dos fumantes como se não fosse lixo. Alguns fumantes esquecem ou desconhecem o risco de segurança ambiental que essa atitude representa. A bituca quando comparada aos outros tipos de lixo, parece ser inofensiva, entretanto, o estrago que esse pequeno objeto causa é muito maior do que muita gente imagina.

A tamanha naturalidade com que as bitucas são jogadas nas ruas, nos mirantes, nas cachoeiras, nas praias, em jardins e nos mais inapropriados lugares é de se preocupar. Basta caminhar pelas ruas de qualquer cidade para ver uma bituca de cigarro em cada cantinho das calçadas ou pequenas montanhas de bituca em frente a bares, parada de ônibus e em outros locais de grande circulação, o que prejudica a paisagem da cidade e o meio ambiente.

Para se ter uma ideia, o tempo de decomposição de uma bituca descartada incorretamente pode chegar a até cinco anos, principalmente se for jogada no asfalto. Sem contar o fato de que ela contém mais de 4,7 mil substâncias tóxicas, o que prejudica o solo, contamina rios, córregos e águas subterrâneas. Essa relativa demora na decomposição se deve ao fato de que 95% dos filtros de cigarros são compostos de acetato de celulose. As bitucas descartadas incorretamente na rua podem se molhar com as chuvas, incham e tornam-se uma das causas do entupimento de bueiros e do surgimento de enchentes. O cultivo de tabaco também promove o desmatamento, já que para secar as folhas de tabaco é necessário utilizar fornos a lenha.

Nas estações secas (outono, inverno e primavera) o descarte incorreto é uma das principais causadoras de incêndios. As queimadas provocadas pelo contato da bituca com a vegetação provocam danos ambientais e ainda reduzem a segurança em locais próximos de rodovias, por conta da fumaça que impede uma melhor visibilidade dos motoristas.

Não podemos esquecer as implicações de Saúde Pública do tabagismo. Com mais de 4,7 mil substâncias químicas consideradas tóxicas presentes em sua fumaça, o cigarro agrava doenças respiratórias, aumenta o risco de câncer de pulmão e diminui a vontade de praticar exercícios físicos. O tabagismo leva a dependência química, sendo considerado um dos vícios mais difíceis de serem abandonados.

Diante do cenário apresentado, a opção de parar de fumar seria a mais assertiva na solução dos problemas mencionados. Mas, para quem tem dificuldade em parar ou não quer parar de fumar, esforce-se pelo menos para jogar a bituca no lixo. Segure a sua bituca de cigarro até encontrar uma lixeira ou “bituqueira”. Outra opção é apagar a bituca e guardá-la de volta no maço de cigarros até que você encontre uma lixeira.

O descarte incorreto de bitucas está presente em todos os níveis socioeconômicos e de escolaridade. Ajude a conscientizar aqueles que consideram a bituca como “sementes”, compartilhe todos os reflexos negativos do descarte incorreto. A conservação ambiental também depende de você.

*Patricia Shimabuku é farmacêutica industrial, professora e ativista socioambiental.

Para ler todos os artigos da colunista, acesse aqui.