Funcionários prestam depoimento sobre ácido achado em água usada em hemodiálise

Alvo da investigação é justamente o setor de hemodiálise, onde há suspeita de sabotagem

do G1

A Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Botucatu (SP) começou a ouvir nesta sexta-feira (22) os funcionários do Hospital das Clínicas da Unesp sobre a contaminação da água usada no setor de hemodiálise com ácido. O depoimento estava previsto para quinta-feira (21), mas foi adiado.

Segundo a Polícia Civil, o alvo da investigação é justamente o setor de hemodiálise, onde há suspeita de sabotagem ou pelo menos de crime culposo.

Com isso, o diretor do hospital, a técnica em enfermagem que identificou a contaminação e também o chefe da unidade de engenharia prestarão depoimento até o fim do dia.

De acordo com o delegado Geraldo Franco Pires, titular da DIG, a polícia quer saber quem tinha acesso à sala restrita onde fica o reservatório de água e ao ácido peracético, usado para esterilizar os filtros e as mangueiras das máquinas de hemodiálise.

“A equipe de investigação vai nos informar a dinâmica da movimentação das pessoas com os equipamentos e com os materiais. Precisamos antes de tudo entender tudo isso para depois fazer um contraponto com o laudo que vier da perícia”, explica Pires.

O laudo deve ficar pronto em 15 dias e a polícia tem um prazo de 30 dias para concluir o inquérito.

Contaminação

A contaminação foi detectada no sábado, antes da primeira sessão do tratamento. A equipe do hospital identificou uma quantidade grande de ácido na água utilizada no processo de hemodiálise.

A médica nefrologista Pâmela Falbo dos Reis, responsável pela unidade, admitiu que, caso algum dos pacientes tivesse entrado em contato com o ácido, a reação poderia ser fatal.

Em nota, o Hospital das Clínicas informou que “está colaborando com as investigações para que o caso seja esclarecido”, e que “não tolera nenhum tipo de ação que coloque em risco a saúde pública”.

A unidade de hemodiálise do HC da Unesp de Botucatu tem 35 máquinas. Por dia, em média, 105 pacientes fazem a terapia. Aos domingos não são agendadas sessões.

Limpeza dos filtros

O ácido peracético é usado no processo de limpeza dos filtros e mangueiras usados na máquina de hemodiálise. Cada paciente possui seu kit. Depois de uma sessão, o material é higienizado com o produto e guardado com o ácido para evitar proliferação de fungos e bactérias.

Isso significa, segundo ela, uma grande concentração de ácido usado para a desinfecção.

Leia mais:

Água contaminada cancela sessões de diálise no Hospital das Clínicas de Botucatu

Sobre Flavio Fogueral