Falta de funcionários faz alunos limparem as salas de aula no Cevilla

Problema originou-se por causa da aposentadoria de duas servidoras, além da licença-saúde de outra profissional

por Flávio Fogueral

Alunos da Escola Estadual Euclides Carvalho Campos, mais conhecida por Cevila, na Vila Nova Botucatu, região Norte de Botucatu, têm desempenhado funções além das de acompanhar as aulas ensino. Devido à falta de funcionários para alguns serviços de suporte, estão também organizando e limpando as salas de aula. Tal situação ocorre há quase dois meses. 

Sala de aula após uma das turmas não efetuar a limpeza

O problema foi mostrado por alunos- que pediram para não serem identificados- e originou-se por causa da aposentadoria de duas servidoras, além da licença-saúde de outra profissional, responsáveis pela faxina e demais serviços fora do âmbito administrativo. Segundo relatos, foi pedido para que as turmas mantenham as salas organizadas após o horário de aulas. Em algumas ocasiões, os próprios estudantes varreram e limparam os espaços de ensino.

A EE Euclides Carvalho Campos promove a educação no Ensino Fundamental e Médio. Em sua estrutura física há 12 salas de aula, além salas da diretoria, secretaria e dos professores. Também tem pátio coberto, quadra poliesportiva, banheiros e cozinha. “Geralmente a maioria (dos alunos) organiza as carteiras e outros varrem, mas isso é individual em cada sala. Cada turma cuida de sua sala”, salientou um dos alunos, que preferiu não se identificar.

Segundo o Censo Escolar, promovido pelo Ministério da Educação, o “Cevilla” possui 809 alunos matriculados entre o 5º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio. No próprio levantamento do governo federal, consta que há o fornecimento de alimentação aos alunos nos períodos de aula.

Este também tem sido outro fator de problema encontrado aos estudantes. De acordo com relatos, a merenda também sofre com a falta das funcionárias, sendo que a comida é servida por professores e outros funcionários.

O problema com o déficit de funcionários na escola é confirmado pela própria Secretaria de Estado da Educação (SEE). Em nota oficial, a pasta responsável pela gestão das instituições públicas de ensino frisou que “está em andamento um processo para contratação de serviço terceirizado de limpeza”.

A SEE ainda frisa que há uma determinação para que a Diretoria de Ensino da região de Botucatu para que promova “esforços para garantir a melhor organização e limpeza das dependências da escola”.

Quanto ao fato de a merenda ser servida por funcionários da própria instituição, a secretaria frisa que este serviço é ofertado em convênio com a Prefeitura, sendo que a própria Diretoria de Ensino está em contato direto com o Poder Público local para resolver a pendência.

Sobre Flavio Fogueral