Justiça pede suspensão de show do Roupa Nova; Ginásio Municipal está lacrado

A lacração do Ginásio Municipal ocorrerá até as 14 horas deste sábado

por Flávio Fogueral

O show programado para este sábado (11) com o grupo Roupa Nova corre o risco de não ocorrer em Botucatu. Decisão em caráter liminar da Justiça determinou a lacração do Ginásio Municipal de Esportes “Mário Covas Júnior”, onde a apresentação está marcada, por falta de documentação de segurança e alvará.

Assinada pelo juiz Josias Martins de Almeida Júnior, a decisão expedida na noite desta sexta-feira, 10, acata ação civil ajuizada pelo Ministério Público de Botucatu, que contesta a existência de autorização para que o evento ocorra. São citados como organizadores do show a Rádio Municipalista e o empresário e comunicador Wanderley dos Santos, da VS Propaganda.

A lacração do Ginásio Municipal ocorrerá até as 14 horas deste sábado. A apresentação está marcada para as 19 horas, sendo que o show integra as comemorações de 57 anos da Municipalista. Como motivo, o juiz observou que a Polícia Militar não foi avisada formalmente sobre as condições de segurança, nem sobre a documentação exigida para o evento de grande porte como os alvarás de vistoria do Corpo de Bombeiros, da Vara da Infância e da Juventude ou mesmo licença da Prefeitura Municipal. A decisão também questiona o tempo hábil para que a organização consiga a documentação necessária em tempo hábil.

Com isso, o ginásio permanece lacrado e, conforme salienta a Justiça, haverá multa de R$ 150 mil em caso de descumprimento da determinação. A íntegra do documento pode ser acessada aqui.

A organização, por meio de nota oficial, disse que recorrerá da decisão. Documento assinado por Vanderlei dos Santos e postado nas redes sociais da Rádio Municipalista, salienta que “estará neste sábado, dia 11, no Plantão Judiciário, apresentando todos os documentos exigidos, mostrando com transparência que preenche todos os requisitos para a perfeita realização do show, como ocorre há muitos anos”.

Frisa ainda que tem tem “plena confiança no judiciário e que todas as dúvidas serão sanadas a tempo de realizarmos nosso evento”, sintetizou a nota.

Apesar de não dar informações sobre possíveis devoluções, a organização salientava, nos últimos dias, que o show estava quase com sua carga de ingressos quase esgotada. Os valores para entrada no show variavam de R$ 50 (inteira), R$ 25 (meia-entrada) e mesas comercializadas a R$ 400.

Confira a nota oficial emitida pela organização