Botucatu terá novo ato contra contingenciamento e corte de verbas para a educação

Cidade integrará mobilização nacional em defesa da educação e da ciência e tecnologia

por Flávio Fogueral

Botucatu integrará novamente nesta quinta-feira,30, a mobilização nacional com mais de 150 cidades contra o contingenciamento e redução de verbas públicas para a Educação em nível superior e de pesquisas científicas propostas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). A convocação é de estudantes do Ensino Médio e Superior e terá ampla programação.

O movimento “Em Defesa da Educação Pública” será dividido em atos distintos ao longo do dia. No período da manhã ocorrerão atividades e debates sobre a qualidade do ensino público e o financiamento da ciência brasileira. P ato mais relevante será promovido a partir das 10 horas ao lado da Biblioteca do Câmpus da Unesp, em Rubião Júnior. Na oportunidade ocorrerá o debate público “O que está acontecendo com o Brasil?”.

A mobilização terá no período da tarde panfletagem e exposição de trabalhos científicos promovidos pelos alunos e pós-graduandos da Unesp. O ato será às 14 horas na Praça Emílio Pedutti (Bosque). Encerrando a programação, os manifestantes estarão a partir das 17 horas em frente ao Largo da Catedral Metropolitana, para debater as atuais mudanças nas políticas públicas educacionais. Há a possibilidade de uma passeata pela Avenida Dom Lúcio.

Este é o segundo ato de estudantes e pesquisadores em menos de um mês. A motivação foi o anúncio do Ministério da Educação em contingenciar parte da verba destinada ao financiamento da educação pública superior e de bolsas de pesquisas por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

O corte anunciado, segundo a organização do ato, atingiria diretamente as pesquisas em desenvolvimento nas áreas das ciências agrárias, da saúde e biológicas, conforme o perfil das unidades da Unesp instaladas no município (Faculdades de Medicina; Medicina Veterinária e Zootecnia; de Ciências Agronômicas e Instituto de Biociências). A instituição concentra 3260 alunos matriculados nos cursos de graduação e 2570 em seus programas de pós-graduação e pesquisas.

Na primeira manifestação, em 15 de maio, quase mil pessoas entre estudantes, professores, populares e até vereadores locais estiveram presentes. Confira a programação abaixo:

Leia mais:

Botucatu recebe maior ato estudantil contra mudanças na política educacional do governo Bolsonaro