Serafim Arruda presidirá o PSOL Botucatu no biênio 2019/2021

Serafim Arruda é servidor publico municipal aposentado, primeiro secretário do Sindicato dos Servidores Municipais de Botucatu

por Flávio Fogueral

O diretório de Botucatu Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) elegeu Serafim Carlos de Arruda como novo presidente para o biênio 2019/2021. Ele vem a substituir o publicitário Daniel de Carvalho no comando legenda. A eleição ocorreu em 7 de setembro e definiu também outros cargos na articulação partidária.

Além de Arruda, são responsáveis pelo comando do partido em Botucatu Sônia Edionête Ceroni (vice-presidente), Gustavo dos Santos Costa (tesoureiro), Eileen Martineli (secretária) e Daniel de Carvalho (secretário de organização).

Para o novo presidente, os trabalhos para o biênio serão centrados na maior inserção da legenda nos debates sociais, além da participação em conselhos e órgãos consultivos de políticas locais. “Uma tarefa de grande responsabilidade, principalmente pelo momento em que o país atravessa. Temos por objetivo consolidar o crescimento do partido, trazendo para nossas fileiras pessoas comprometidas não somente com um projeto nacional, mas também local. Lideranças de trabalhadores, culturais e comunitárias, estudantil são fundamentais nesse projeto”, salienta.

Serafim Arruda é servidor publico municipal aposentado, primeiro secretário do Sindicato dos Servidores Municipais de Botucatu – SISPUMB, onde é fundador e primeiro presidente. Músico da corporação musical “Dr. Damião Pinheiro Machado”. Atua como voluntário em diversos projetos sociais da cidade, ex- metalúrgico e ativista do movimento negro e ocupou diversas funções dentro da União Cultural Negra de Botucatu.

Seminário do PSOL Botucatu

A eleição de Arruda compõe um processo interno que terá continuidade no dia 21 de setembro, com a 1ª Pré-Conferência Eleitoral do PSOL Botucatu, na Câmara Municipal. O evento  objetiva capacitar os interessados em participar do Congresso Partidário do PSOL – debate de teses e projetos de cidade – e do Processo Eleitoral – com propostas de chapas e programa de governo -, e organizar a presença do partido nos calendários institucionais da política local e nacional.