Minhocário – O que é isso e por que vale a pena ter em casa? A importância da Compostagem

Não conheço nenhuma outra espécie no planeta que cria e acumula (tanto) lixo como nós

por Vinícius Nunes Alves*

Há inúmeras frases que tentam dar uma identidade central ao ser humano. O filósofo Mario Sergio Cortella em seu livro A escola e o conhecimento, reúne algumas frases famosas nesse sentido. Exemplos: o ser humano é um bípede implume (Platão), é um animal racional (Aristóteles), é um cadáver adiado (Fernando Pessoa). No meu entendimento, essas frases não estão erradas, mas são naturalmente limitadas para resumir o complexo ser humano. Entre tantas outras definições (mais sublimes ou mais obscuras) que caberiam, eu tomo a liberdade de adicionar uma: o ser humano é um acumulador de lixo.  

Não conheço nenhuma outra espécie no planeta que cria e acumula (tanto) lixo como nós. Não é difícil encontrar produtos que compramos e que têm mais de duas embalagens (sobretudo plástico). Também não é difícil de enchermos litros e mais litros de lixeiras domiciliares em uma só semana. 

Segundo informações do folder do Curare – grupo ativo de Botucatu que objetiva popularizar a Permacultura* através da realização de cursos e ações de educação ambiental – o Brasil produz quase 242 mil toneladas de lixo por dia, sendo que a grande maioria dessas é depositada a céu aberto, e só uma pequena parcela é depositada em aterros controlados. Essa realidade contribui para contaminar rios e lençóis freáticos, entupir bueiros (principalmente se jogados nas ruas) e liberar gás metano (um dos gases mais potentes para o efeito estufa). O alento em meio a tudo isso é a informação que o folder também traz: do total do lixo urbano, 60% são formados por resíduos orgânicos que podemos compostar!   

 Mas o que é compostagem? É a decomposição da matéria orgânica (de origem vegetal ou animal) realizada por microrganismos (bactérias, fungos, ácaros,…) e invertebrados (ácaros macroscópicos, besouros, baratas,…). Esse processo amplamente conhecido é fundamental na ciclagem dos elementos químicos na natureza, sendo que esses retornam ao solo na forma de nutrientes que são reabsorvidos em alguma medida pelas plantas. Pois bem, uma das maneiras de compostar o nosso lixo é ter uma composteira em casa. Há cerca de dois anos, com o auxílio do Rafael Guerreiro – biólogo, educador e membro do grupo Curare – eu preparei uma composteira caseira a custo quase zero reutilizando baldes de alimentos.

Como a minha composteira tem minhocas que aceleram a decomposição, ela é chamada de minhocário. Este basicamente consiste em três baldes acoplados (ver 1ª foto) com furos nas tampas. O primeiro (branco) é fixo e acumula o líquido da compostagem que pode ser esvaziado pela torneirinha e despejado em solos; o segundo e o terceiro baldes (estampados) são trocados entre si de lugar à medida que enchem, são neles que colocamos um pouco de terra e minhocas e, principalmente, onde alternamos massa úmida (restos de alimentos) e massa seca (serragem/serapilheira seca). Dentre a massa úmida, é importante evitar restos de carnes e de frutas cítricas para que o sistema não fique muito ácido. 

Com os simples e necessários cuidados, de tempos em tempos (alguns meses), sempre formamos um adubo orgânico (ver 2ª foto) com a maior parte dos nossos resíduos orgânicos. Tal adubo com forma e odor de terra é rico o suficiente para ser usado em hortas, vasos, jardins e mudas de árvores! Além dessas utilidades, reduzimos o lixo orgânico não misturando-o com o lixo reciclável (plásticos e papéis limpos, etc.). Enfim, vale a pena tanto para o ser humano, quanto para o meio ambiente! 

*Para informações sobre Permacultura, recomendo a visita em: https://grupocurare.com.br/ e https://www.facebook.com/grupocuraredepermacultura/.

*Vinícius Nunes Alves é Licenciado e Bacharel em Ciências Biológicas – IBB/UNESP. Mestre em Ecologia e Conservação de Recursos Naturais – UFU . Especializando em Jornalismo Científico – Labjor/UNICAMP . Professor Escolar da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.