Botucatu recupera geração de empregos em outubro

Este número tira o município do 'vermelho' já que setembro ocorreram 1.382 admissões diante de 1.483 desligamentos

por Flávio Fogueral com Agência Brasil

Botucatu recuperou, em outubro, sua geração de emprego no saldo apresentado hoje pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregos (CAGED), do Ministério do Trabalho. Este mês o município registrou 1.553 novos empregos em carteira assinada, diante 1.316 demissões. O acumulado de empregos formais em carteira de trabalho gerados no ano foi de 37.937.

Foram analisados 7.161 estabelecimentos, dos mais variados segmentos da economia (indústria, serviços, agropecuária). Este número tira o município do 'vermelho' já que setembro ocorreram 1.382 admissões diante de 1.483 desligamentos em setembro. Outro mês que Botucatu teve mais demissões do que contratações foi em fevereiro, com 2.032 e 1660, respectivamente.

Confira aqui a relação de todas as vagas de trabalho.

A microrregião de Botucatu (que agrega São Manuel, Pardinho, Bofete, Anhembi, Pratânia e Conchas) também teve desempenho positivo na geração de emprego e renda este mês. O CAGED informa que foram 2.025 admissões e 1.853, com acumulado de 55.795 empregos formais desde janeiro. A consulta se deu diante de 12.963 estabelecimentos.

Os municípios da região que apresentaram mais demissões do que contratações, em outubro, foram São Manuel (238), Anhembi (38), Pratânia (32) e Bofete (47).

Brasil perde 161 mil vagas de trabalho em outubro

O Brasil fechou em outubro 169.131 postos de trabalho com carteira assinada, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados hoje (20) pelo Ministério do Trabalho. Este foi o sétimo mês seguido de fechamento de vagas formais.

Os números representam a menor geração de empregos para o outubro desde 1992, quando se iniciou a série histórica. O total resulta da diferença entre admissões (1.237.454) e demissões de trabalhadores (1.406.585).

No acumulado do ano, foram fechados 818.918 postos de trabalho com carteira assinada, menor resultado para o período desde 2002, início da série histórica, de acordo com dados do Ministério do Trabalho. Nos últimos 12 meses, o Brasil perdeu 1.381.992 empregos com carteira assinada.