Menos hipocrisia, por favor!

Temer é um fantoche do tal “mercado”, que articulou e financiou o golpe

por Valdemar Pereira de Pinho*

A credibilidade do governo golpista está rente ao chão. Ninguém confia no Temer. A cada política implementada sua aceitação despenca. Mas, tem amplo apoio parlamentar pra alterar a Constituição e aprovar tudo o que for impopular e antipopular. Para isso tem apoio irrestrito dos partidos de direita, PSDB, PMDB, PPS, DEM e partidos nanicos, que são a maioria do “pior Congresso que o dinheiro pôde comprar”. Só não tem apoio popular. Temer sempre foi um político medíocre, não tem capacidade de elaborar o programa que está executando. Temer é um fantoche do tal “mercado”, que articulou e financiou o golpe. Então, a serviço de quem está o seu governo? 

Valdemar Pereira de Pinho é professor aposentado da Unesp e membro do Partido dos Trabalhadores, em Botucatu.

Valdemar Pereira de Pinho é professor aposentado da Unesp e membro do Partido dos Trabalhadores, em Botucatu.

No artigo desta coluna publicado em 20/05/2016 podia-se ler “Temer vislumbrou a possibilidade de ter o governo sem concorrer em eleições. Para isso precisava se credenciar junto aos golpistas. ‘Uma ponte para o futuro’, que na verdade é uma pinguela para o passado, foi a sua senha para se credenciar a cumprir o papel desejado pelos golpistas. É o programa ideal da direita apresentado pelo PMDB.” Programa que jamais seria aprovado em uma eleição. E veio o golpe, prometendo que em poucos meses a economia voltaria a crescer. E hoje temos a pior recessão desde o início dos anos 30. Prometendo o fim da corrupção e temos todos os líderes dos partidos golpistas, e a maioria dos Ministros do Temer, acusados de corrupção.

O carnaval demonstrou a resistência a esse governo. O Fora Temer foi ouvido e visto em todas as regiões do país. E até a Globo, um dos carros-chefe do golpe, mostrou isso, tentando parecer neutra. Depois de meses de silêncio das panelas vem aqueles mesmos grupos que dirigiram os movimentos pelo golpe, financiados pelos que se beneficiam das ações do governo Temer, propor uma manifestação “contra a corrupção” sem atacar os que comandam a corrupção. Por isso, nas manifestações não pode ter “Fora Temer”. É preciso manter as aparências de indignados com a “corrupção”, pra continuar defendendo o Estado Mínimo para a maioria da população e o fim das políticas sociais e do Estado soberano. E defender o Estado Máximo para atender os 10% da “elite”. Isto porque os golpistas precisam que o Temer cumpra o seu papel antes de tirá-lo. Afinal, ele ainda é útil. O Festival Nacional de Hipocrisia…

Já foi aprovado o desfinanciamento de políticas sociais, como Saúde, Educação, Assistência Social, Previdência Social etc. “Saúde e Educação padrão FIFA”, pedidas pelas faixas nas manifestações pré golpe, eram pura hipocrisia. Com o fim do SUS os planos privados de Saúde vão aumentar o seu lucro. “Por acaso” o Ministro da Saúde é ligado a esses planos. E quem não puder pagar por eles, que se dane. Ao congelar todos os gastos sociais por VINTE anos, a PEC aprovada inviabiliza que qualquer outro governo nesse período possa investir nessas áreas. Agora está pra ser votada a PEC “Previdência nunca mais”, que inviabiliza a aposentadoria pública e interessa aos lucros da Previdência privada. O Ministro da Previdência, também “por acaso”, tem ligações com a privada. Nas relações capital/trabalho prevê a retirada de garantias ao trabalhador existentes desde os governos de Getúlio Vargas. Retrocesso e miséria.

Mas a manifestação é convocada “contra a corrupção”.

* Valdemar Pereira de Pinho é professor aposentado da Unesp e membro do Partido dos Trabalhadores, em Botucatu.

Deixe uma resposta