OPINIÃO | Manifesto contra o sistema neoliberal

O sistema neoliberal não é humano, não é solidário, comunitário, amoroso. Não é cristão. Não deve ser aceito pelos homens como normal e definitivo

por José Francisco Brant de Carvalho*

O sistema neoliberal é um modo de ser, de pensar e de agir que recai sobre a sociedade humana fazendo com que exista uma parte que tenha todo poder e outra que não tenha nenhum. A parte que tem poder deseja se manter assim, e para isto acontecer, em uma democracia onde todo poder deveria ser igual e justo, ela tem que ter o comando dos meios de produção, dos serviços e dos direitos dos seres humanos, o poder econômico e o poder político. Assim ela controla os homens pois detêm os meios de sobrevivência dos cidadãos e da sociedade. Neste sistema o home tem que pagar para viver, ou seja, a vida é uma mercadoria e o acesso à existência digna tem seu preço.

Esta vontade de poder nasce na origem do homem. Nele existem três formas de poder:

O poder sobre, agente no próximo;

O poder de dentro, sobre si mesmo;

O poder em conjunto, a força coletiva.

O poder sobre se manifesta no sistema capitalista, neoliberal. Para manter esta estrutura existem princípios que são disseminados como norma rígida pelos meios de comunicação, gerando medo do caos, da perda de condições dignas de vida, de ser ignorado, de não existir ou ser aceito na comunidade. Na atual conjuntura o trabalhador tem medo de perder o emprego, os direitos de vida em sociedade, então se torna domesticado.

No sistema neoliberal é importante manter o povo na insegurança e no medo do futuro, uma estrutura de violência psicológica onde o cidadão se vê obrigado a aceitar o controle imposto. Uma vez instalado o medo e a insegurança o homem se torna diminuído, oprimido, domesticado, passivo, aprisionado, sem poder e não reage. Isto se dá porque o homem lança mão de várias racionalizações para desqualificar seu próprio medo e insegurança:

Negar a realidade (explora, mas nos alimenta);

Desacreditar (Isto não é bem assim);

O que os olhos não veem o coração não sente;

Levar uma vida dupla (Não reclama, pois tira proveito dela);

Fugir da realidade pelo vício, pela depressão ou pelo suicídio.

Este sistema neoliberal separa os homens frequentemente em dois tipos de pessoas, as que têm valor, ou seja, os ricos, e os que não têm, ou seja, os pobres.

Os que têm valor visam competir para ganhar; os que não têm devem ser solidários para sobreviver.

Os ricos desejam multiplicar seus ganhos para ter mais; os pobres têm que aprender a dividir.

Os que têm valor querem sempre crescer e ter mais; os que não têm querem, apenas, ser felizes.

Os que têm veneram o poder; os que não tem querem o amor.

Os que têm negociam o que têm e o que não têm para obter maior lucro; os que não têm respeitam o outro.

Os que têm ganham cada vez mais; os que não tem perdem cada vez mais.
Para os que têm a vida é hostil e competitiva; para os que não têm a vida é solidária e cooperativa.

Para os que têm, os seres humanos são imperfeitos e gananciosos; para os que não tem os seres humanos têm falhas.

Os que têm se organizam pela hierarquia do poder; os que não têm se organizam pela cooperação.

Os que têm amam o poder; os que não tem amam a vida.

Os que têm defendem os direitos individuais e a propriedade; os que não têm defendem os direitos coletivos.

Resumindo: o sistema neoliberal não é humano, não é solidário, comunitário, amoroso. Não é cristão. Não deve ser aceito pelos homens como normal e definitivo.

*José Francisco Brant de Carvalho é médico aposentado, ativista pelo direito à saúde e militante do PSOL Botucatu.

Deixe uma resposta