Os pecados de todos nós

Woody Allen continua criativo, um foco de luz que não perde de vista entender o ser humano em suas contradições básicas

por Oscar D’Ambrosio*

Poucos cineastas mergulham tanto nos relacionamentos humanos como Woody Allen. “Um dia de chuva em Nova York”, seu filme mais recente, traz todo o encantamento de seus diálogos em histórias de amores que se entrecruzam num turbilhão de emoções, geralmente mal resolvidas por todos e por todos os lados, como ocorre na vida chamada de real.

O enredo tem como destaque o carismático jovem ator Timothée Chalamet, que decide passar um final de semana em Nova York com a namorada, (a luminosa Elle Fanning), que conseguiu entrevistar um famoso diretor de cinema, com o qual se envolve emocionalmente. Nessa jornada, também é objeto de desejo de um roteirista em crise e de um ator sedutor.

O rapaz, por sua vez, abandonado na sempre charmosa Nova York, conhece uma prostituta (a musa Kelly Rohrbach) e reencontra a irmã de uma ex-namorada (a naturalmente sensual Selena Gomez). E tudo isso é regado a muita chuva, o que permite boas piadas dentro daquele humor muito próprio do cineasta norte-americano, que consegue ver ironia em todas as situações.

O nome do protagonista, Gatsby, é uma homenagem clara ao célebre romance de F. Scott Fitzgerald, que mostra o vazio de amor entre ricaços norte-americanos. Nessa mesma toada existencial, o novo alter-ego do diretor norte-americano traz indagações existenciais e busca um amor que atenda aos seus anseios e gostos, muito além de sua faixa etária.

Tudo isso mostra que Woody Allen continua criativo, um foco de luz que não perde de vista entender o ser humano em suas contradições básicas. Nesse sentido, a revelação feita pela mãe do protagonista, ao dialogar com o filho sobre a prostituta que ele leva a uma festa, aponta que todos nós temos nossos pecados. Conseguir admiti-los é que são elas.

Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.