No ambiente escolar, que lugar resta ao livro além da sala de aula? Um pouco da realidade de uma escola em Botucatu

“O interesse literário é, em geral, muito heterogêneo e algumas vezes obedece a sazonalidade”

por Vinícius Nunes Alves*

Compartilho uma parte da entrevista que realizei com dois profissionais da Escola Américo Virgínio dos Santos de Botucatu-SP, onde trabalho atualmente como professor de ciências. Os entrevistados são: Rogério Moraes – contador de histórias do segmento municipal do Américo (Ensino Fundamental I – 1º ao 5º ano), e Roseli Campos – professora responsável pela sala de leitura do segmento estadual do Américo (Ensino Fundamental II – 6º ao 9 ano e Ensino Médio). Nas respostas da entrevista me referi ao Rogério e à Roseli como, respectivamente, R1 e R2. Ambos trabalham com contratos, projetos e alunados distintos, mas dividem o mesmo ambiente de trabalho (Sala de Leitura) e exercem um importante papel geral comum na escola que é o de incentivar a leitura dos alunos. Tais cargos existem em outras escolas de Botucatu e do Estado de São Paulo. Obs.: fotos públicas ou dos entrevistados.

1) Por favor, coloque sua formação e quantos anos de experiência você tem com Sala de Leitura dentro do ambiente escolar. 

R1= Sou biomédico de formação e estou trabalhando na sala de leitura desde outubro de 2008.

R2= Sou formada em Letras e tenho 7 anos de sala de leitura. 

2) Basicamente, quais características resumem um bom livro?

R1= Sem entrar no mérito literário, o livro bom é aquele que se mostra adequado à idade e experiência cognitiva e intelectual do leitor. Um livro extremamente complexo, repleto de referências e intertextualidade certamente não será um bom livro para uma criança de ensino fundamental, ainda que possa encantar um adulto, leitor maduro e experiente.

R2= O bom livro é aquele proporciona conhecimento e entretenimento para quem está lendo. 

3) Quais tipos de livros têm na Sala de Leitura da escola Américo Virgínio dos Santos? Qual é a porcentagem (proporção) de alunos que frequentam?

R1= A sala de leitura da escola Municipal (Fundamental I) em questão possui um acervo muito interessante: livros adequados para os alunos de primeiro e segundo anos, cerca de 500 tomos, e livros para a leitura dos demais anos, cerca de 1.500 tomos. Temos também livros técnicos para professores, cerca de 300 tomos, além de literatura geral para este mesmo público, cerca de 400 tomos. A Escola Municipal possui 150 alunos. Todos passam semanalmente pela sala de leitura para retirar livros, pois faz parte da grade curricular e está contemplado no horário das turmas.

R2= A sala de leitura da escola conta com um pouco de cada gênero. O ambiente é compartilhado com a biblioteca da escola municipal, dificultando o acesso de um grupo maior de alunos. A porcentagem de alunos da escola que frequentam a sala é de 40%.

4) Quais estratégias você usa para incentivar a leitura do alunado?

R1= A visita dos alunos à sala de leitura para retirada de livros é sempre acompanhada de alguma atividade tais como contação de histórias, vídeos, leitura individual ou coletiva, músicas ou ainda alguma atividade específica solicitada pelo professor. Isto torna a vinda à sala de leitura sempre estimulante e aguardada pelas turmas. Como disse, estas visitas estão contempladas no horário escolar e os professores sempre participam desta atividade. Nossa sala de leitura é pequena e carecemos de um local adequado para a escolha e troca de livros, bem como de uma sala de audição adequada, já que a escola possui uma lousa digital muito interessante. 

R2= Os alunos recebem uma carteirinha no sexto ano para retirada dos livros, podendo levar os livros para casa, e ficando um determinado tempo. Trabalhamos temas mensais, como “Setembro Amarelo”, “Prevenção do Suicídio”, “Outubro Rosa”, Prevenção do Câncer de Mama, etc. Também fazemos Roda de Leitura na sala de aula e em outros ambientes da escola, sempre com um professor titular (normalmente de Língua Portuguesa) da turma.    

5) Você observa preferências por certos temas de livros dependendo do gênero do alunado? E quanto às séries, você consegue observar diferenças na procura de livros por idade ou série escolar? 

R1= O interesse literário é, em geral, muito heterogêneo e algumas vezes obedece a sazonalidade, ou seja, há a procura por determinado autor porque o professor falou dele, ou há uma adaptação de determinada história para o cinema, ou ainda algum “best seller” do tipo “Diário de um Banana” ou “Harry Potter”. Funciona bastante a leitura por indicação, ou seja, alguém lê um livro, acha legal e indica para o amigo. Os alunos de primeiro e segundo anos fazem a escolha de seus livros em separado, com livros que atendem à sua capacidade de leitura, a qual é diferente do restante da escola. Do terceiro ao quinto anos ocorre a livre escolha nas estantes. Temas instigantes para eles continuam sendo os livros de mistério, aventura e ação, adaptações em quadrinhos, livros de humor além de clássicos contos de fadas e fábulas.

R2= Sim, do alunado que frequenta a sala de leitura, a maioria é do sexo feminino. Os alunos do ensino fundamental II têm preferências por textos mais curtos, como gibis, fábulas, contos, crônicas, etc. Quanto aos alunos do ensino médio, há um interesse maior por romance, ficção, poesia, etc. Em geral, os alunos mais novos (do fundamental II) leem mais do que os mais velhos. Estes, muitas vezes, procuram especificamente as obras de literatura que caem no vestibular. 

*Vinícius Nunes Alves é Licenciado e Bacharel em Ciências Biológicas – IBB/UNESP. Mestre em Ecologia e Conservação de Recursos Naturais – UFU . Especializando em Jornalismo Científico – Labjor/UNICAMP . Professor Escolar da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.