Passeios na Cuesta – como se comportar?

Visitá-la requer alguns cuidados específicos

por Patrícia Shimabuku*

Férias, verão e amigos são itens motivadores para um passeio divertido na natureza.

A Cuesta além de bela, possui uma valiosa importância ecológica, porém, grande parte do seu território (mirantes, trilhas, córregos e cachoeiras) são particulares. Visitá-la requer alguns cuidados específicos. Confira a seguir, algumas dicas:

  1. Mirantes, trilhas, lagos, represas, córregos e cachoeiras: sempre verificar se o proprietário autoriza a visitação. Sem autorização, a atitude é considerada crime (invasão de propriedade privada). Sites como “Descubra Botucatu”, “Botucatu Terra da Aventura”, “Polo Cuesta” e de Agências de Receptivo Turísticos poderão auxiliar.
  2. Verifique a previsão do tempo. Chuvas intensas no dia anterior e no dia poderão comprometer o passeio e sua segurança.
  3. Use calçados adequados (chinelos, sandálias “rasteirinhas” – comprometerão sua segurança) e roupas confortáveis para atividades ao ar livre. 
  4. Verifique as condições do veículo (iluminação, pneus, freios etc.).
  5. Trafegar devagar e com atenção nas estradas rurais. Em trechos de descida, dar passagem para quem estiver subindo. Trafegar vagarosamente ao ultrapassar pedestres, ciclistas, animais e residências para evitar acidentes (deslocamento de pedras) e minimizar a suspensão de poeira/terra.
  6. Visitar cachoeiras (permitidas: Pavuna – Particular, taxa de entrada R$8 e a Indiana – Privada, sem taxa de entrada) tenha responsabilidade. Levar água, lanche, kit de primeiros socorros (com antialérgico, band-aid, micropore, spray antisséptico, gaze etc.), protetor solar e repelente – guardar esses itens sempre em mochila. As cachoeiras não possuem infraestrutura, o acesso dá-se meio à mata (barranco e vegetação) e para manutenção do seu equilíbrio, suas mãos e braços serão o seu apoio. Recomendamos, também, inserir na mochila, uma lanterna e um apito – ambos auxiliarão na localização, em caso de acidentes.
  7. Mergulho em cachoeiras é extremamente perigoso – risco de trauma craniano e na coluna. 
  8. Atenção e cuidado ao nadar em represas, lagos e córregos. Use sempre dispositivos de segurança para evitar afogamentos. 
  9. Respeite as placas de segurança existentes nos locais de visitação. Não ultrapasse os dispositivos de segurança. 
  10. Recolha seu lixo e restos de alimentos.
  11. Não faça fogueiras ou churrasco – essas atitudes, dependendo da área, poderão comprometer a importância ecológica ou a segurança do local (fogo em mata). Análise a área.
  12. Não fume, não beba bebidas alcoólicas e nem use drogas. Os recursos turísticos são privados, porém dentro das suas restrições, são áreas coletivas. Suas atitudes poderão comprometer a diversão e o passeio dos demais.
  13. Não escreva nos troncos das árvores ou nas rochas.
  14. Garanta a sua segurança, não realize os passeios sozinho! Deixar amigos e/ou familiares cientes do seu trajeto e seu horário de retorno.

Por fim, a última dica: as propriedades rurais de Botucatu possuem em suas porteiras/entradas, uma placa azul com nome/código (número da propriedade). Essas informações estão cadastradas numa base de dados (GPS) compartilhada com os serviços públicos: GCM (199), SAMU (192) e Corpo de Bombeiros (193). Por isso, tente prestar atenção nas placas das propriedades do trajeto do seu passeio. Em caso de acidentes ou ocorrências, só informar as informações da placa mais próxima do local onde está localizada a vítima. 

Bom passeio!

*Patricia Shimabuku é farmacêutica industrial, professora e ativista socioambiental. Para ler todos os artigos da colunista, acesse aqui.