Morre o ex-goleiro João Marcos

Ainda não há informações sobre velório e enterro

por Flávio Fogueral

Faleceu na manhã desta quinta-feira, 2 de abril, o ex-goleiro botucatuense João Marcos Coelho da Silva, aos 57 anos. O ex-atleta estava internado no Hospital das Clínicas de Botucatu para um tratamento de decorrente a complicações da saúde.

O velório de João Marcos será no Complexo Funerário Orlando Panhozzi, em Botucatu, das 14h às 17 horas, restrito apenas aos familiares, em função das determinações do combate a pandemia de Covid-19.

O sepultamento será às 17 horas, no Cemitério Portal das Cruzes, em Botucatu.

O filho do atleta, Jean Pereira, fez homenagem ao atleta em sua rede social. “Você é e sempre será meu herói”, sintetizou.

O atleta teve sua trajetória retratada pelo livro “A maior de todas as defesas – a história de vida do ex-goleiro João Marcos dentro e fora do futebol”, de autoria do jornalista Érick Facioli e lançado em 2016.

História de sucesso e superação contra o vício

João Marcos Coelho da Silva é um dos muitos nomes de Botucatu que despontaram para o futebol. Viveu todo o sabor e dissabor de estar em evidência e defender equipes consideradas grandes. Foi, ao lado de Zé Maria, um dos poucos jogadores da região que tiveram o ápice ao vestir a camisa da seleção brasileira. Sua história, agora, é eternizada em livro.

Foi em Botucatu, sua terra natal, que o atleta teve seus primeiros contatos com o futebol. Após atuar pelo juvenil da Associação Atlética Botucatuense (AAB), transferiu-se ao Guarani, de Campinas. Foi o bugre quem o lançou ao futebol profissional. Suas atuações chamaram a atenção de clubes como o Noroeste, de Bauru, e posteriormente, chegaria a defender as camisas do Palmeiras- onde foi campeão do Torneio Seletivo Taça de Prata de 1981-; e finalmente o Grêmio, onde sagrou-se bicampeão gaúcho em 1985 e 1986.

O desempenho dentro de campo, além de defesas decisivas, levou João Marcos à consagração. Sete meses após ser bancado pelo técnico Rubens Minelli como titular da meta palmeirense, veio a primeira convocação para representar a seleção brasileira. Telê Santana, que comandara Pela seleção brasileira, acumulou convocações durante três anos seguidos. Atuou em uma única partida. Foi na vitória do Brasil diante do Uruguai por 1 a 0, em 1984.

O destino para muitos jogadores pode ser cruel. E se materializam, como enredos de novelas, com um fator crucial: lesões. Foi justamente uma grave lesão no ombro que fez João Marcos antecipar a aposentadoria, em 1986, aos 33 anos. Não seria mais possível atuar com a mesma eficiência embaixo das traves.

Nos anos seguintes, passou por problemas pessoais. Revelou, em 2010, durante o programa Terceiro Tempo, comando pelo jornalista Milton Neves, que sofreu com a dependência do álcool. Batalhou novamente para livrar-se do vício.

O goleiro viveu os últimos anos em Botucatu. Manteve o Projeto Gol Solidário, que atende a centenas de crianças, que têm a oportunidade de aprender por meio do futebol. O ex-goleiro também atuou como olheiro do Palmeiras em cidades da região.

Leia mais:

João Marcos: “torcerei para o Brasil estar na Copa, mas não vejo um futuro brilhante para a seleção”

Sobre Flavio Fogueral