Botucatuense curado do coronavírus: “não era considerado de grupo de risco, pois sempre tive ótima saúde”

Ele foi internado na segunda-feira, 30 de março, com complicação no quadro respiratório

por Flávio Fogueral

Diego, o botucatuense de 28 anos que recebeu alta hospitalar nesta sexta-feira, 3 de abril, após ter confirmado Covid-19 fez seu primeiro relato, por meio de vídeo, sobre o tratamento recebido e os dias passados em internação no Hospital das Clínicas de Botucatu (HCFMB).

Ele foi internado na segunda-feira, 30 de março, com complicação no quadro respiratório e apresentando os sintomas das da doença, que foi constatada pelo Hemocentro. Teve melhora acentuada, sendo confirmada sua cura. O botucatuense não fazia parte do grupo de risco e contraiu a doença no município, que já possui a chamada “transmissão comunitária”.

O homem deu entrada no hospital com quadro grave de insuficiência respiratória, precisando receber cuidados intensivos da equipe médica. Passou por testes que apontaram a presença do vírus SARS-Cov2, causador da Covid-19. Os exames foram realizados pelo Hemocentro do HC, unidade credenciada pelo governo paulista para esta finalidade.

“No último dia 21 começaram os sintomas que me levaram até o Pronto Socorro Adulto: falta de ar, febre, tosse, dor no corpo. E na segunda-feira, 30 de março, fui encaminhado até o Hospital das Clínicas e fiquei na (enfermaria) Clínica Médica I. Lá recebi todo o tratamento devido para a cura da doença. Começaram com antibióticos e não cessaram até dar fim ao vírus. A equipe de médicos não mediu esforços para me curar”, relatou Diego.

A partir da quarta-feira, 1º de abril, apresentou melhora clínica, sendo que os sintomas desapareceram. Análises médicas constataram não haver mais a presença da Covid-19. A alta ocorreu na tarde de hoje, quando se completou 14 dias do aparecimento dos primeiros sintomas.

Após passar por momentos em que o quadro clínico mostrava piora, o paciente teve sinais de recuperação dias depois.  No testemunho, salientou desconhecer como contraiu o coronavírus. “Quero pedir que todos fiquem em casa. Não sabemos até onde o vírus vai. (Eu) Não era considerado de grupo de risco, pois sempre tive ótima saúde. Mas mesmo assim, contraí a doença. Desconheço de onde que veio e, por isso, a importância de se ficar em casa. Isso não é uma brincadeira”, frisou.

O botucatuense pediu também para que a população venha a respeitar o chamado isolamento social, medida adotada para evitar a propagação da doença. “Não está sendo fácil para o pessoal da linha de frente, o pessoal da saúde. Eles não têm opção e trabalham incansavelmente para controlar esse vírus”, finalizou Diego.

Sobre Flavio Fogueral