Como cuidar da higienização dos cães e gatos em tempo de COVID-19?

Não há evidências científicas de que os animais possam transmitir o coronavírus para os humanos

Por Luiz Henrique de Araújo Machado e Manuela Agostinho*

Em tempo de isolamento social, o indicado é evitar ao máximo sair de casa, mas quando você tem um animal de estimação em casa, principalmente um cão, os passeios, mesmo que mais curtos ainda acontecem, e com isso, devemos tomar alguns cuidados com a limpeza dos animais durante esse período.

É importante ressaltar que não há evidências científicas de que os animais possam transmitir o coronavírus para os humanos, mas, quando alguém em casa é positivo para a doença, o indicado é que o contato seja evitado ou realizado com o uso de máscara e luvas, sempre fazendo a higienização das mãos com água e sabão (por pelo menos 20 segundos) antes e depois de manipular os animais e alimentos. Também é indicado que os beijos sejam evitados, assim como compartilhar comida e dormir junto aos animais.

O pelo não é uma boa superfície para a aderência do vírus, ainda assim os cuidados com a higienização das mãos com água e sabão, antes e depois da manipulação dos animais, é indicado.

O cuidado com a limpeza da casa é muito importante, existem produtos que não são recomendados para casas com animais e crianças. O hipoclorito (água sanitária) possui grande eficácia em eliminar o coronavírus das superfícies, mas é necessário realizar a diluição com muito cuidado, como os animais tocam o chão o tempo todo com os coxins (almofadinhas das patas) e ainda se lambem, é necessário ficar de olho em possíveis alergias e problemas gastrointestinais, já que a água sanitária é um produto irritante. Como é o caso também da creolina, que é um produto comum em algumas cidades do interior, mas é extremamente tóxico para os animais, então seu uso não é recomendado.

A melhor opção para manter a higiene da casa é realizar a limpeza com a amônia quaternária, ela é eficaz em eliminar o vírus, muitas marcas estão disponíveis no mercado e podem ser facilmente encontradas em petshops ou na internet. É importante fazer a diluição correta que vem descrita na embalagem, nunca aplicar o produto puro no chão, além disso, é necessário retirar os animais do ambiente durante a aplicação e aguardar até que o produto seque para que os animais sejam devolvidos ao ambiente.

A higienização de calçadas, quintal ou até mesmo em algumas áreas da casa, quando possível pode ser realizada com água e sabão, pois o vírus é extremamente sensível ao sabão, sendo uma forma prática e barata de realizar a limpeza.

Para a limpeza das patas dos animais, o mais indicado também é o uso de água e sabão, shampoo veterinário deve ser usado ou até um shampoo neutro de bebê ou criança, os dois são ótimas opções. É importante retirar bem o sabão das patas dos animais, que devem ser secas com um pano ou toalha limpa. O uso de secador de cabelos não é recomendado por poder provocar queimaduras se muito quente ou próximo da pele.

O uso de álcool em gel para a higienização das patas dos animais não é indicado, como os animais possuem o costume de lamber as patas, eles podem acabar ingerindo o que sobrou do produto. Existem algumas marcas que estão lançando álcool em gel para uso nos pets, produtos que podem ser lambidos e não apresentam riscos para os animais.

Os tutores devem ficar atentos a possíveis sinais de alergia ou intoxicação como vermelhidão nas patas, lambedura excessiva, regiões com falta de pelo, coceira, e sinais gastrointestinais como vômito e/ou diarreia ou falta de apetite, é importante o cuidado com a higienização dos pets, mas sem exageros, existem formas muito mais fáceis de se infectar como a falta da máscara facial ao sair de casa, não realizar a higienização das mãos, ou pela falta de limpeza de embalagens comerciais.

O banho a seco também é uma opção para manter o animal limpo, mas a grande maioria não é eficiente contra o coronavírus. Os banhos de corpo todo podem ser realizados, mas não com muita frequência, ou só caso o animal esteja muito sujo. No caso dos gatos, esse espaçamento deve ser ainda maior, sendo que banhos muitas vezes nem são recomendados nessa espécie. É importante colocar um pedaço de algodão em cada orelha do animal, para evitar que entre água nos ouvidos (lembrar de retirar depois). Sempre tomar cuidado com os olhos. A água deve ser morna e você pode usar um shampoo veterinário de sua preferência. É muito importante secar bem o pet com uma toalha limpa, não dar banhos em dias frios, e caso o secador seja necessário, manter a uma distância segura da pele, sempre com muito cuidado. O banho pode ser realizado a partir dos 4 meses de idade, na qual os animais costumam ter terminado o protocolo vacinal.

A Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da UNESP campus Botucatu criou uma série de canais para divulgação de informações e esclarecimento de dúvidas, para mais informações acesse: https://fmvzunesp.wixsite.com/todoscontracovid19, nos siga no Instagram @covid19.fmvz ou curta nossa página no facebook FMVZ unida contra a COVID-19 (https://www.facebook.com/covid19.fmvz/). Também é possível tirar suas dúvidas através do telefone (14) 3880-2600 de segunda a sexta-feira das 8 às 18 horas.

Luiz Henrique de Araújo Machado é supervisor do hospital veterinário da FMVZ-UNESP- Botucatu e também responsável pelo serviço de dermatologia veterinária do HV

Manuela Agostinho, residente do Programa de Residência em Área Profissional da Saúde em Medicina Veterinária da FMVZ UNESP Botucatu