Reflexões sobre o mundo pós-pandemia

A expectativa é construir uma constelação de possibilidades

Por Oscar D’Ambrosio*

Palavras como novo coronavírus (eu nem sabia que havia um antigo), COVID-19, pandemia e “novo normal” (havia sim um antigo) passaram a povoar o nosso imaginário nos últimos meses. Por isso, em 28/3/2020, criamos o projeto @arteemtempodecoronavirus. Ele consiste em chamar artistas visuais, de qualquer estilo, a encaminhar as suas imagens para publicação.

Cada imagem postada (são mais de 250 até o final de maio) é acompanhada de um breve texto de reflexão de minha autoria que busca fazer uma leitura de cada imagem ou vídeo em uma caminhada linguística e simbólica que permite pensar o andamento de toda situação que se está vivendo sob diversos aspectos.

As imagens, no decorrer do projeto, foram se alterando conforme as notícias sobre a pandemia iam se transformando. Em linhas gerais, surgiram inicialmente imagens do próprio coronavírus; depois passou-se a enfatizar a morte com diversas representações, como cruzes ou caveiras.

Em seguida, o foco passou a ser o das máscaras nos rostos e de dor pelo isolamento social, vistas como alternativas enquanto não há medicamentos confiáveis ou vacina. Na sequência, as imagens de esperança ganharam espaço, por meio de borboletas voando livres, arco-íris coloridos, e pessoas saindo do hospital pelo “corredor da vitória”.

Tendo isso em vista, que reflexões podemos fazer sobre o mundo pós-pandemia? Vamos arriscar seis caminhos de pensamento e de possibilidades em função das imagens que recebemos e dos textos que escrevemos para o projeto. A expectativa é construir uma constelação de possibilidades. Serão seis breves reflexões.

1 – Perante a triste situação posta pelo destino, haverá aqueles que terão reações emocionais, motivadas pela impressão inicial. Sem utilizar a razão e o pensamento, correrão de um lado para outro, de maneira quase imprevisível, oscilando entre os desejos de criar um mundo melhor ou de se afundar em uma depressão temendo o pior para a humanidade;

2 – Perante a emoção irracional de uns, haverá aqueles que não vão economizar esforços para a construção de um novo mundo pautado pela busca de respostas racionais e científicas para que todas as pessoas possam viver melhor, independendo de sua classe social, gênero, etnia ou qualquer outra variável humana. Buscarão a luz nas potenciais trevas;

3 – Perante a emoção irracional de uns e a busca da razão de outros, haverá aqueles que tentarão encontrar soluções criativas, seja por novos meios de comunicação, novas plataformas, novas ações ou simplesmente por assumir tudo isso como novos desafios. Reaprender será o termo chave para que um novo mundo seja erguido e as luzes voltem a se reacender;

4 – Perante a emoção irracional de uns, a busca da razão de outros e a procura de respostas surpreendentes de alguns, haverá aqueles que vão se apoiar no discurso do caos, do ódio, da negatividade e do fim dos tempos. Não haveria respostas de construção, mas de esperar passivamente a destruição de tudo e de todos;

5 – Perante a emoção irracional de uns, a busca da razão de outros, a procura de respostas surpreendentes de alguns e o negativismo de muitos, haverá aqueles que acreditem que o caos é necessário para criar um novo cosmos, na linha de que a crise é a terra das oportunidades. Neste caso, a avaliação ponderada do que deve ser feito para erguer um novo mundo é essencial.

6 – Perante a emoção irracional de uns, a busca da razão de outros, a procura de respostas surpreendentes de alguns, o negativismo de muitos e os que que veem o lado positivo das crises, haverá aqueles que:

– avaliando a espontaneidade do impacto da pandemia;

– acreditando nas possibilidades de construção de um amanhã melhor;

– abrindo espaços para soluções criativas;

– alertando para as ameaças do ódio e da negatividade; e

– acreditando na ponderação,

vão erguer o mundo pós-pandemia.

Como será?

Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Coordena o projeto @arteemtempodecoronavirus e é responsável pelo site www.oscardambrosio.com.br

Sobre Flavio Fogueral