Enfrentando a depressão

O protagonista precisa reencontrar os passos da sua vida

Por Oscar D’Ambrosio*

Lidar com sérios problemas como a depressão e o vício é uma tarefa difícil e complexa. Infelizmente ainda existe muito preconceito e muito lugar comum da sociedade no sentido de afirmar que basta a pessoa ter força de vontade para superar os mais diversos problemas. O filme “O caminho de volta”, de Gavin O’Connor, mostra toda a complexidade do tema.

Ben Affleck interpreta com muita entrega um ex-jogador de basquete de muito talento que mergulhou no alcoolismo e na depressão. Chamado para treinar o time de sua escola de ensino médio, começa a realizar um ótimo trabalho, mas a bebida ressurge como um grande inimigo, principalmente nos momentos de estresse.

O gatilho detonador de todo esse processo foi a perda de um filho. A dificuldade de lidar com essa realidade o fez mergulhar em um círculo vicioso do qual só consegue sair quando toma consciência de que está jogando a sua vida fora por não conseguir enfrentar seus problemas com sinceridade e coragem.

O protagonista precisa reencontrar os passos da sua vida. E, para isso, dois movimentos se são essenciais. Por um lado, há a tomada de consciência de que deseja retomar a caminhada. Por outro, precisa admitir a necessidade de ajuda profissional. No momento em que essas duas variáveis se encontram, a sua jornada de volta ao mundo se torna mais possível.

Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Coordena o projeto @arteemtempodecoronavirus e é responsável pelo site www.oscardambrosio.com.br