“Falaram apenas para, para! E atiraram para o alto”, relata ocupante de moto roubada por quadrilha que assaltou banco em Botucatu

Moto foi roubada na Rodovia Marechal Rondon por volta de 1 hora de quinta-feira, 30 de julho

Por Flávio Fogueral

Moto teria sido usada na fuga de membros da quadrilha que assaltou o Banco do Brasil

A motocicleta com marcas de sangue encontrada na manhã desta sexta-feira, 31 de julho, em uma área nas proximidades da Rodovia João Hipólito Martins (SP-209), em Pardinho,  teria sido usada para a fuga de integrantes do grupo que roubou agências bancárias e entrou em confronto com a polícia na madrugada de quinta-feira, 30 de  julho.

No entanto, a moto Yamaha Fazer, modelo 2020, foi objeto de roubo onde integrantes da quadrilha teriam abordado, por volta de 1 hora, um casal que trafegava pela Rodovia Marechal Rondon (SP 300) sentido interior/capital.

Stela Rodrigues Rigonati, de  20 anos, e André Luís Roque Pinheiro, 28 anos, voltavam de um sítio localizado no Distrito Industrial 3 quando nas proximidades do Bekassim Hotel, foram abordados por um veículo com cinco pessoas ocupantes. A região foi um dos locais onde membros da quadrilha foram cercados pela polícia durante a perseguição após o roubo e tiroteios na região central. Em determinado momento, eles ouviram tiros e grito vindo do interior do veículo que se aproximava em alta velocidade. “Falaram apenas para, para! E atiraram para o alto”, relatou Stela.

Marcas de sangue foram encontradas também na garupa da moto

Rendidos e com a motocicleta parada, a mulher foi puxada por um dos ocupantes do carro (o modelo do veículo não foi identificado pelas vítimas). André Pinheiro, que guiava a moto, desceu após ameaças do criminoso. Além de um veículo, um telefone celular também foi roubado.

Após, tanto o carro quanto motocicleta saíram pela Marechal Rondon, sentido capital. O casal foi socorrido por amigos que também estavam no sítio e  vinham de carro atrás da motocicleta. Segundo um dos conhecidos, os assaltantes ainda teriam abordado um caminhão-baú, na alça de acesso para a Rodovia Domingos Sartori.

A moto é o único veículo do casal que está junto há 3 anos. Pinheiro trabalha como marceneiro e ainda paga o financiamento. Segundo Stela, a Polícia Civil entrou em contato com os mesmos para constar a recuperação do bem e que estava sob investigação.