Letalidade por Covid-19 em Botucatu é 54% menor do que taxa estadual, aponta secretário

Com 1356 casos confirmados da doença, Cidade teve 26 óbitos registrados

Por Flávio Fogueral

A taxa de letalidade por Covid-19- resultado da divisão de casos registrados pelo número de óbitos-, é 54% menor em Botucatu frente ao total registrado no Estado. Informação foi passada durante balanço realizado pelo secretário municipal de Saúde, André Spadaro, junto com o prefeito Mário Pardini, em apresentação exclusiva ao Notícias Botucatu.

Com 1356 casos confirmados da doença, Cidade teve 26 óbitos registrados em decorrência do novo coronavírus. Conforme explicou o secretário, a taxa de letalidade continua em torno de 2% desde julho, o que indica uma estabilização da Pandemia em Botucatu. “Não é motivo de celebração, mas sim de acompanhamento para analisar quais ações adotar para o combate a Pandemia”, reforçou Spadaro.

Ainda na apresentação, foi mostrado que Botucatu está entre os seis municípios com mais de 100 mil habitantes com menores taxas de letalidade. Para esta análise foram considerados 81 municípios. Spadaro acredita que o município ainda está para atingir o pico de infecções e o platô de mortes.

 

Segundo ele, o número de mortes tem se mantido estável desde o último registrado, em 30 de julho. “Estamos ainda considerando os 26 óbitos, pois ainda há a investigação de uma paciente que internou como sendo de Botucatu, mas a suspeita seja de São Paulo”, salientou o gestor.

Já a mortalidade (óbitos divididos pelo número de habitantes) em Botucatu é de 17,7%, sendo que no Estado é de 53,2%. Neste quesito são computados dados de outras causas, não sendo somente Covid-19. “Em Botucatu não há subnotificação de óbitos, seja qual for a causa, há a testagem para a covid-19”, ressaltou Spadaro.

“Considerando o estado estamos em um platô, mas na capital está havendo uma queda e, no interior, uma estabilização. O número de casos em Botucatu crescia em duas semanas, mas atualmente há uma estabilização. Mas isso também reflete o aumento da testagem junto a comunidade. Já atingimos o pico e agora visualizamos a estabilidade”, frisou o secretário.

Outro ponto é quanto aos critérios analisados pelo Centro de Contingenciamento da Covid-19 no Estado, que formula as bases para o Plano São Paulo de flexibilização da economia. Nesta sexta-feira, 7 de agosto, o município foi para a Fase Laranja, que permite abertura maior de alguns segmentos. Para o secretário, se a análise considerasse apenas os indicadores de Botucatu e Avaré, a região estaria na Fase Verde. “Vai pela regionalização. Se fossem consideradas as regiões do Polo Cuesta e Vale do Jurumirim, os indicadores apontariam a classificação para verde”, completou o secretário.

Quanto ao isolamento social, estratégia defendida tanto pela Organização Mundial da Saúde (OMS) quanto o governo paulista para  se conter o avanço de infecções, tanto Spadaro quanto o prefeito Mário Pardini frisaram que mesmo com índices baixos- Botucatu chegou a atingir 34% esta semana-, isso não chega a causar preocupação para as estratégias de testagem e controle. “Temos observado uma queda no isolamento não só em Botucatu quanto em outras cidades, é que o mesmo não tem sido respeitado. Se observar a curva de isolamento, desde que foi instituído o Plano SP, os retornos às fases mais restritivas não se confirmaram”, salientou.

Já o prefeito Mário Pardini reforçou que nesta etapa da pandemia, o isolamento torna-se secundário frente a outras estratégias como testagem em massa e a disponibilização de leitos no sistema de saúde. “Isolamento foi importante para se planejar investimentos e aplicação de ações em assistência. Municípios com taxas de isolamento maiores, mas com o caos na saúde. O importante é plano de testagem adequada, assistência aos casos positivos e contactantes. Com um município com este programa de taxa de testagem, o isolamento passou a ser secundário. O que temos que fazer é controlar a pandemia”, opinou o prefeito.