Procon autua supermercados em Botucatu por preços abusivos em itens da cesta básica, principalmente arroz

Em Botucatu o Procon fiscalizou quatro supermercados, sendo que todos foram notificados

Por Flávio Fogueral

Cada vez mais caros ao consumidor, os itens da cesta básica foram motivos para nova fiscalização da Fundação Procon em diversas regiões do Estado, por meio da Operação Preços nas Alturas. Algumas cidades da região como Botucatu, Avaré, Bauru e Jaú receberam presencialmente fiscais do governo paulista.

Objetivo foi verificar nos locais possíveis práticas de abuso na comercialização de itens como arroz  (pacote de 5 kg), óleo (embalagem de 900 ml) e carnes vermelhas (patinho, coxão mole, coxão duro e contrafilé). Segundo o órgão do governo foi possível constatar diferenças de preços na comercialização que tiveram máximas de R$ 31,90 no arroz tipo 1 (pacote de 5 kg); R$ 8,49 no óleo de soja (900 ml).

Em Botucatu o Procon fiscalizou quatro supermercados, sendo que todos foram notificados. Não foram informados quais estabelecimentos receberam as visitas e avisos por possíveis práticas de abusos nos preços. Quanto ao arroz (pacote de 5 quilos), foram encontrados preços que variavam de R$ 19 a R$ 29, diferença de até 65%. Alguns supermercados botucatuenses, inclusive, têm limitado a quantidade de pacotes que podem ser comercializados aos clientes. Determinados estabelecimentos vendem somente dois pacotes no varejo.

Além dos recentes aumentos do arroz e óleo, bem como das carnes, incentivados pela alta do dólar e a valorização das exportações, o Procon também tem efetuado acompanhamento das oscilações de preços desde o início da pandemia de covid-19. Segundo o órgão, em 24 e 25 de março e, no dia 28 de abril, os fiscais analisaram 23 estabelecimentos entre farmácias, revendedores de gás e supermercados. Dessa ação ocorreram seis notificações pela prática de preço abusivo de  itens essenciais.

De todas as operações desencadeadas nos últimos meses (Covid-19 e Preços nas Alturas), 36 estabelecimentos comerciais são averiguados com possíveis notificações quanto a abusos frente ao valor cobrado aos consumidores.