Tempo é dinheiro? Professor Nelson comenta o tema da redação do vestibular Unesp 2021

Fruto de uma ideologia capitalista, o pensamento coletivo possui como realidade a visão de que tempo é dinheiro

*Nelson Ferreira Junior

Você que fez a segunda fase do vestibular da Unesp, confira a dissertação desenvolvida pelo professor Nelson, da Escola de Redação Nelson Letras, sobre o tema pedido “Tempo é dinheiro?”.

Fruto de uma ideologia capitalista, o pensamento coletivo possui como realidade a visão de que tempo é dinheiro. Sem a capacidade de compreendê-la sob outras perspectivas, muitos indivíduos, vivendo em uma Menoridade – lembrando as reflexões do filósofo iluminista Immanuel Kant sobre liberdade de pensamento -, possuem um consciente e inconsciente construídos sob valores positivistas que os mantêm como um objeto e não como um sujeito da realidade. Entretanto, apreçar o tempo é apressar o final da vida limitando os prazeres de sua existência.

“Vaidade de vaidades, diz o pregador, tudo é vaidade”. Há três mil anos, no livro de Eclesiastes, o rei de Israel, Salomão, refletia sobre a importância de o ser humano perceber que tudo é passageiro, que é necessário compreender a relação entre o indivíduo e o tempo, que há tempo para tudo, para alegrar-se e entristecer-se, para plantar e colher, para viver aproveitando o dia. Todavia é difícil, para o homem, relacionar-se assim com o tempo, e, desde que a realidade capitalista passou a reger as sociedades, o motivo da existência, equivocadamente, vê a utilidade da vida na busca de capital, compreendendo o tempo como moeda.

No século XIX, o pensador alemão Karl Marx defendeu a concepção de que “aquilo que os indivíduos são depende das condições materiais de sua produção”. Segundo Marx, muitos valores morais são ideologias impostas pela classe dominante, consequências dessas condições. Assim, o modo de produção da vida material cria as relações de exploração de trabalho, implicando a manutenção da ética de que o trabalho dignifica o homem, de que viver é trabalhar, de que o tempo deve ser utilizado para a produção de capital com a crença de que esta é sinônimo de felicidade.

O pensamento marxista vai de encontro a doutrinas como o Positivismo do filósofo Auguste Comte, ou o Taylorismo e o Fordismo; sistemas que influenciaram consciente e inconsciente dos indivíduos com a falsa concepção da realidade de que os minutos, horas, dias, anos devem ser mensurados de forma monetária. Atualmente, na sociedade moderno-líquida, o pensamento é ampliado pelas relações efêmeras e superficiais entre grande parte da humanidade e o que está ao seu redor, impossibilitando-a de compreender que essa ideologia cobrará um preço sem um amanhã.

Como muitas pessoas estão presas ao Rolex que controla suas vidas e que monetiza cada momento passado, é mister alcançar a Maioridade, usar a racionalidade, a utopia a qual possibilita descontruir a ideologia recalcada no ser, para transformar a realidade, para se compreender que tempo não é dinheiro, que tempo é uma sucessão de momentos os quais devem ser aproveitados sabendo-se que, embora sejam únicos, devem ser desfrutados como uma sequência infinita de repetições, assim como na filosofia do Eterno Retorno desenvolvida, no século XIX, pelo filósofo Friedrich Nietzsche.

ESCOLA DE REDAÇÃO NELSON LETRAS
– AULAS INDIVIDUAIS OU EM GRUPO
– RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES
– AULAS REFLEXIVAS SOBRE TEMAS ATUAIS
RUA CORONEL FONSECA, 408, CENTRO, BOTUCATU. INFORMAÇÕES PELO WHATSAPP (14) 98171 44 84

*Nelson Ferreira Junior é professor. 

Para ler os demais artigos deste colunista, acesse o hotsite de artigos do Notícias. Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do site.