Não deixe rastros (Leave No Trace) na Cuesta! – Parte 1

Conceito do Leave No Trace (Sem Deixar Rastros) foi criado ainda nos anos 60 nos Estados Unidos

Por Patrícia Shimabuku*

A Cuesta Basáltica é uma região estratégica, um valioso patrimônio natural com itens ambientais e paisagísticos, como os morros testemunhos e mirantes, córregos e cachoeiras, as áreas de recarga do Sistema Aquífero Guarani, a vegetação e fauna típica de Mata Atlântica e Cerrado. 

Além das características ecológicas que advertem a necessidade de proteção, a existência de recursos e atrativos turísticos potencializam os usos da região para o desenvolvimento de atividades ao ar livre, como é caso do turismo ecológico, de aventura e rural. 

A missão é saber como conciliar a promoção das atividades turísticas com a promoção de desenvolvimento econômico social, compreensão cultural e consciência ambiental. E aí, como provocação sugere-se as perguntas: (1) como reduzir ao máximo a degradação causada pela nossa presença, considerando o tamanho do fluxo de pessoas na Cuesta? (2) quais são as atitudes individuais, que são essenciais, para minimizar o impacto sobre áreas naturais?

Para a inspiração de atitudes responsáveis com a Cuesta e demais ambientes naturais, a aplicação dos princípios do “Leave No Trace – LNT” torna-se indispensável. 

O conceito do Leave No Trace (Sem Deixar Rastros) foi criado ainda nos anos 60 nos Estados Unidos, mas foi apenas nos anos 90 que esses princípios de mínimo impacto em ambientes naturais tomaram forma em diretrizes claras e objetivas e se transformaram em um programa de treinamento. 

A principal organização que trabalha para sua difusão é a Leave No Trace for Outdoor Ethics, ONG norte-americana cuja missão é desenvolver e difundir a ética em atividades ao ar livre. No Brasil, talvez o principal responsável pelo trabalho de divulgação das diretrizes foi a Campanha Pega Leve!, um trabalho do CEU – Centro Excursionista Universitário.

Basicamente, o LNT são sete princípios que contemplam os principais pontos das boas práticas de mínimo impacto. Não se trata de restringir o acesso à natureza ou desincentivar as pessoas de aproveitá-la. Pelo contrário, a ideia por trás das práticas de mínimo impacto e das campanhas de “Não Deixe Rastros” é estimular as pessoas a praticarem mais atividades outdoor e aproveitarem a natureza, mas de maneira responsável.

Os sete princípios do “Leave No Trace”

  1. Planeje com antecedência e prepare-se.
  2. Viaje e acampe em superfícies duráveis.
  3. Descarte os resíduos adequadamente.
  4. Deixe o que encontrar.
  5. Minimize o uso de fogueiras.
  6. Respeite a vida selvagem.
  7. Seja atencioso com outros visitantes. 

O detalhamento e dicas para aplicação dos sete princípios estarão no artigo “Não deixe rastros (Leave No Trace) na Cuesta! – Parte 2”. Não deixe de conferir! Até breve!

*Patricia Shimabuku é farmacêutica industrial, professora e ativista socioambiental do @compatybilidades

Este é um conteúdo exclusivo do Notícias! Para obter permissão de cópia, favor contatar a redação pelo n.botucatu@gmail.com